Os “três corações” do homem

Não há palavra tão gasta como a palavra “amor”, e não há conceito tão mal entendido como o conceito “amar”. Quando falamos dessas duas coisas, o que temos em mente, na maioria das vezes, são os “sentimentos”, movimentos orgânicos presentes até mesmo nos animais. Um exame mais detido, porém, revela-nos que há em nós, não um, mas “três corações” e, portanto, três formas diferentes — uma mais perfeita do que a outra — de amar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s