Comparando lecionários

Destacado

Tradução e adaptação de um artigo publicado no Athanasius Contra Mundum, quando este blog ainda era no Blogger, em abril de 2008 (hoje ele pode ser encontrado aqui e aqui):

Em comentário após comentário dos defensores do Novus Ordo, dos liberais aos neo-conservadores, um ponto que é sempre levantado em defesa das inovações pós-conciliares é a suposta superioridade do lecionário da liturgia moderna em comparação ao da tradicional. O argumento é mais ou menos assim: “Na medida em que a maior parte da Bíblia é lida no curso de três anos, os católicos têm contato com mais trechos da Escritura que na liturgia gregoriana, que possui apenas uma pequena seleção de leituras.” Continuar lendo

Meios ordinários e extraordinários de manter a vida

Destacado

Se vivemos, vivemos para o Senhor; se morremos, morremos para o Senhor. Quer vivamos quer morramos, pertencemos ao Senhor (Romanos XIV, 8).

Na época da terrível morte de Terry Schiavo, nos EUA, uma pergunta ganhou corpo na reflexão ética: onde se inicia o excesso terapêutico? Obviamente, tal questionamento não era novo, ele já passou pela cabeça de quase todos que se depararam com uma situação limite que atingiu um amigo ou parente, mas naquele momento, nos meios tradicionalistas católicos, a problemática se tornou fraticida, na medida em que algumas vozes influentes mostraram divergência sobre o que se entendia como moralmente correto na condução do caso citado. Uma resposta doutrinariamente precisa e, ao mesmo tempo, aberta às mudanças da técnica era necessária e, por isso, acabei conseguindo um texto do então professor de Teologia Moral do seminário da FSSPX nos EUA, o Pe. Juan Carlos Iscara, que traduzi e resumi da maneira que segue: Continuar lendo

Como a Missa Latina Tradicional suscita mais participação ativa que a Forma Ordinária

Destacado

Texto original: New liturgical movement

Por Peter Kwasniewski

****************

april_04__2010___555

Quantas vezes os apreciadores do Rito Romano clássico já ouviram a objeção: “A Missa nova é melhor que a antiga porque permite maior participação ativa dos fieis”, ou “A Missa antiga tinha de ser eventualmente reformada, porque o sacerdote era o único fazendo alguma coisa, e as pessoas eram todas espectadoras mudas”. Meu objetivo neste artigo é refutar tal alegação e demonstrar que, pelo contrário, o oposto é verdadeiro.

A reencarnação é racional? [2]

Destacado

vidas_passadas_2Uma crença religiosa que parece não ter muitos adeptos no mundo cristianizado é o espiritismo. Entretanto, em terras tupiniquins, ela tem uma popularidade impar. Some-se ao desprezo pela moral, a falta de transcendência e de rigor dogmático. Esta heresia goza da incrível capacidade de sincretismo. Talvez nessas considerações seja possível entender a simpatia por ela aqui no Brasil.

O princípio basilar do espiritismo é o da reencarnação, ou seja, a crença de que, após a morte, a alma de um ser humano retorna ao mundo material em outro corpo. Há também a metempsicose, variação desta doutrina, que é o retorno sob a forma de outras espécies. Continuar lendo

Catecismo sobre o aborto

Destacado

bebc3aa

1. O que é o aborto?

Aborto, em sentido lato, é a morte do produto da concepção e sua expulsão do organismo materno em qualquer fase de seu desenvolvimento pré-natal.

Isto pode ocorrer por causas naturais, que não dependem da vontade humana ou interferência externa. É o chamado aborto espontâneo, que ocorrerá, nesses casos, por distúrbio do organismo materno ou por algum acidente sofrido pela mãe durante a gravidez.

Nessas próximas perguntas e respostas, porém, o termo “aborto” será sempre usado no sentido de aborto voluntário, provocado, direto, doloso. Ou seja, toda e qualquer intervenção, por meios cirúrgicos ou farmacológicos, que visa matar e expelir o produto da concepção, desde o momento em que essa se inicia até o nascimento, isto é, ao longo de toda a vida pré-natal.

2. Quais são os métodos de aborto usados durante os três primeiros meses de gravidez?

Os monstruosos métodos de aborto são vários. Entre eles, os mais comuns são:

Sucção – O colo do útero é amplamente dilatado. Um tubo especial é inserido no mesmo. Uma violenta aspiração, 29 vezes mais poderosa que a de um aspirador de pó comum, suga o bebê para dentro de um recipiente, desconjuntando-lhe os braços e pernas, e transformando-o num purê sanguinolento. Este é o método mais comumente empregado nas “clínicas de aborto”.

Dilatação e curetagem (D&C) – Um objeto afiado, de forma semelhante a uma colher, corta a placenta e retalha o corpo do bebê, o qual é então succionado através do colo. Para evitar infecção, os pedaços do nascituro são remontados fora, após a extração, peça por peça, pelas enfermeiras, para assegurar que nenhuma de suas partes ficou no útero materno.

OBS: nem sempre a dilatação e curetagem são feitas com a finalidade abortiva; na medicina elas também são usadas para casos de hemorragia em mulheres não-grávidas, o que é inteiramente lícito.

Pílula RU – 486 – Na França e no Reino Unido, este poderoso esteróide sintético tem sido usado para induzir ao aborto em mulheres com cinco a sete semanas de gravidez.

O serviço norte-americano de controle de alimentos e remédios (U. S. Food and Drug Administration) divulgou um documento chamado Importante Alerta sobre o RU – 486, proibindo sua importação para uso individual, devido aos perigos que representava para a mulher.

A companhia francesa Roussel Ucalf, produtora do RU – 486, recomenda ter à mão, quando do uso da droga, equipamento para detecção e tratamento de urgência de qualquer problema de ordem cardiovascular. O próprio presidente do laboratório, Edouard Saking, declarou (Guardian Weekly, 19/08/90, apud Miriam Cain, Fight for Life, Cape Town, African Action, 1995, p.5):

O RU – 486 não é de modo algum de fácil uso. Uma mulher que queira interromper sua gravidez deve “viver” com seu aborto pelo menos uma semana usando essa técnica. É uma terrível experiência psicológica.

3. Quais as técnicas usadas para assassinar o bebê do terceiro ao nono mês da gestação?

Dilatação e evacuação (D&E) – Neste processo, o colo do útero é amplamente dilatado, uma vez que a vítima a ser removida, de 13 a 24 semanas, é evidentemente maior. Como os ossos da criança já estão calcificados, torna-se necessário utilizar tenazes especiais para desconjunta-los. A criança tem seus braços e pernas desmembrados, e em seguida sua espinha dorsal. Por último, antes de ser succionado, o crânio da criança é esmagado. Algumas partes do feto são removidas com fórceps (instrumento utilizado para auxiliar o parto pela via normal, em certos casos espciais).

Injeção de solução salina fortemente hipertônica – Uma seringa de quatro polegadas perfura o parede abdominal e o saco amniótico, sendo extraídos sessenta ml do líquido amniótico. Em seu lugar, injeta-se 200 ml de solução salina fortemente hipertônica.

Acostumado a se alimentar do líquido amniótico no qual está imerso, o bebê ingere solução salina, a qual vai lhe queimando a pele, a garganta e os órgãos internos. Ele tenta em vão lutar pela vida, debatendo-se desesperadamente de um lado para outro dentro do útero, em terríveis contorções. Sua agonia pode durar horas, sendo então expelido do claustro materno. Vê-se então uma criança toda cauterizada, com o corpo vermelho pelas queimaduras produzidas.

Aborto por prostaglandinas – Prostaglandinas são substâncias que provocam contrações próprias do parto. Elas são injetadas no líquido amniótico ou ministradas sob a forma de supositório vaginal. Em conseqüência a mãe expele a criança, já morta, ou insuficientemente desenvolvida para sobreviver fora do útero materno.

Histerotomia – Como na operação cesariana, o abdômen e o útero são abertos cirurgicamente. Só que na histerotomia, ao contrário da cesariana, o intuito não é salvar a criança, mas elimina-la. Alguns “médicos” usam a própria placenta para asfixiar o bebê.

4. O que significa aborto de parto parcial?

Conforme descrito pela American Medical News, o aborto de parto (ou nascimento) parcial envolve “extração de um feto intacto, primeiramente pelos pés, através do canal de nascimento, depois de todo o resto, com exceção da cabeça.O cirurgião então enfia uma tesoura na base do crânio, alarga a abertura, e utiliza a sucção para remover o cérebro”.

aborto-de-parto-parcial

Após o depoimento de uma enfermeira que havia presenciado diversos abortos desse tipo, declarando que os legisladores “deveriam entrar numa sala de operação e presenciar como se fazia tal aborto”, a Câmara dos Deputados dos Estados Unidos aprovou uma lei estabelecendo prisão e multa para qualquer médico que “extrair parcialmente um feto vivo, matando-o em seguida e completando sua extirpação”. Recentemente a Suprema Corte norte-americana considerou tal modalidade de aborto ilegal. Continuar lendo

A boa companhia dos mortos

Um ótimo texto do tradutor José Francisco Botelho (Veja, 17 de maio de 2017):

Alguns meses atrás, um interlocutor bastante perspicaz me perguntou por que dedico tanto tempo e energia à tarefa de traduzir clássicos da literatura. A questão, na verdade, foi elaborada com menos palavras e mais pungência: “Por que você faz isso consigo mesmo?”, Meu amigo pressupunha, de forma bastante razoável, que os espinhos do ofício sejam bastante afiados e que não raro nos machuquem os dedos. Não pretendo ostentar cilícios nem posar de flagelante, mas a pergunta está longe de ser ociosa: se vamos nos dedicar à escrita, por que nos prender às sombras do passado? Não seria mais simples dizer de uma vez o que queremos sobre o nosso tempo e a nossa vida? Felizmente, não tenho de responder sozinho a essas questões perturbadoras: no que se refere à tradução dos clássicos, nossa língua vive um momento de ebulição. Intrépidos desbravadores buscam novas edições para textos canônicos, redescobrindo frescor e surpresa em território que pensávamos conhecer muito bem; ou nos revelam grandezas que só podíamos entrever ou imaginar, em obras nunca antes vertidas para o português. Em todos esses casos, a provocação persiste, oh amigos e amigas cravejados de espinhos: por que insistimos em dar voz aos mortos – e, ainda mais, numa hora destas? Continuar lendo

Como responder a um escândalo na Igreja

Ontem foi o dia de São João Fisher que, juntamente com São Thomas Morus, é um dos mais famosos mártires do tempo da pseudo-reforma na Inglaterra. E a história dele e de seu companheiro no Céu nos ensinam muito sobre como lidar com os escândalos (ou decepções) que envolvem as lideranças da Igreja de tempos em tempos.

São João Fisher nasceu em 1469 e São Thomas Morus em 1478, ambos morreram em 1535. Viveram, portanto, numa época de dissolução interna que parece inimaginável para muitas almas piedosas de nossos dias.

Vejamos, em 1492, quando São João Fisher estava no início dos anos vinte e Thomas Morus na adolescência, Alexandre VI foi eleito papa e reinou por pouco mais de 11 anos. Seu papado ficou marcado por sua vida escandalosa, pelo seu nepotismo e por sua venalidade. Após as poucas semanas do breve reinado de Pio III, o papa Júlio II foi eleito. Como cardeal, ele havia gerado três filhas, e por causa de sua violência era conhecido como Il Terribile. Foi sucedido em 1513 pelo Papa Leão X, um conhecido nepotista, cujo luxo o distraiu de lidar eficazmente com Lutero e os primórdios das heresias protestantes. Após o breve papado de Adriano VI, Clemente VII foi eleito. Ele estava, pelo menos, livre de censura na vida privada, mas foi um líder irresoluto e ineficaz. O Papa Paulo III foi o último papa na vida dos dois santos. Como cardeal Farnese, ele tinha sido conhecido como “Cardeal da Anágua” (obs: anágua, para quem não sabe, é uma antiga peça íntima feminina, como uma saia que se vestia embaixo do vestido) porque sua irmã Júlia foi amante de Alexandre VI. O próprio cardeal Farnese tinha uma amante com a qual teve três filhas e um filho. Quando se tornou Papa, reformou sua vida e é conhecido pela história por convocar o Concílio de Trento.

Tudo isso seria suficiente para que alguém deixar a Igreja? Não se se trata dos dois santos citados. A vida devocional honesta de São João Fisher e São Thomas Morus significou que eles fizeram das palavras e dos exemplos uma campanha pela reforma da Igreja, significou que eram uma “pedra de tropeço” para os fariseus da época, mas a posição deles fica realmente clara no martírio. Eles morreram pela autoridade do Papa no caso do casamento do rei. Conseguiram ver a distinção entre o homem e seu ofício com tanta clareza que foram executados em defesa da autoridade da Santa Sé. Assim devemos fazer.

Os “três corações” do homem

Não há palavra tão gasta como a palavra “amor”, e não há conceito tão mal entendido como o conceito “amar”. Quando falamos dessas duas coisas, o que temos em mente, na maioria das vezes, são os “sentimentos”, movimentos orgânicos presentes até mesmo nos animais. Um exame mais detido, porém, revela-nos que há em nós, não um, mas “três corações” e, portanto, três formas diferentes — uma mais perfeita do que a outra — de amar.

Missão da FSSPX na África Ocidental

A África Ocidental (especificamente a Nigéria, o Benin e Gana) perfaz uma vasta região invadida pelo islã e gangrenada pela corrupção, na qual muitas almas, decepcionadas pelos discursos humanistas do clero local, encontram-se cada vez mais atraídas pela tradição católica. O seguinte documentário retrata um pouco desse cenário cheio de desafios, mas com um potencial incomum:

Processões externas de Deus: o mundo angélico

E ouvi a voz de muitos anjos em volta do trono… e era o número deles milhares de milhares. (Apocalipse V, 11)

A existência dos anjos

Além do mundo visível e material, criou Deus também o mundo invisível e espiritual, o chamado mundo angélico.

Isso foi negado na antiguidade, entre os judeus, pela seita dos saduceus (Atos XXIII, 8). Mais tarde, por certas seitas protestantes, como os anabatistas. Em nossos dias tal verdade tem por adversários os ateus, materialistas e positivistas, que não crêem senão naquilo que seus olhos vêem e seus sentidos apalpam. Os racionalistas, para encontrar uma excusa aparentemente racional à sua incredulidade, alegam que os anjos foram inventados pelos judeus no tempo do cativeiro da Babilônia, por imitação das entidades ali cultuadas; ou, então, consideravam os anjos como simples modo poético e simbólico de referir-se às virtudes divinas e aos vícios humanos. Dentro da Igreja, infelizmente, os modernistas têm pego, ao sabor das preferências individuais, um ou outro desses argumentos, revelando, mais uma vez, como disse São Pio X, que no seu espírito há um amálgama de todos os erros do passado.

A existência dos anjos, contudo, foi definida solenemente pelo IV Concílio de Latrão (1215):

Deus… desde o princípio do tempo criou do nada duas espécies de seres – os espirituais e os corporais, isto é, os anjos e o mundo.

De forma igual se expressou o Concílio Vaticano I.

Isso facilmente se depreende da Revelação. Na Sagrada Escritura, por exemplo, a existência dos anjos é afirmada em muitas passagens do Antigo e do Novo Testamento. Lembremos algumas: Continuar lendo