Por que a estrutura não está celebrando os 50 anos do Novus Ordo?

Primeira Missa no Novus Ordo celebrada publicamente por Paulo VI

Alguém mais notou que o último Advento marcou os 50 anos da entrada em vigor da terrível “reforma litúrgica” de Paulo VI e que não vimos nenhuma comemoração por parte da burocracia da estrutura?

Sendo mais preciso, o novo rito da Missa foi promulgado pelo citado Papa, de infeliz memória, no dia 3 de abril de 1969, mas só entrou em vigor, na maior parte dos países, no Primeiro Domingo Advento daquele ano. Onde estão as festas?

Não há nada de mais monumental na maquiagem da Outra que essa suposta reforma e, mesmo assim, podemos contar nos dedos das mãos as citações da efeméride pelos entusiastas das mudanças (progressistas de todo naipe, como os do site PrayTell) ou dos cleaners neoconservadores. Se estamos num novo Pentecostes, por que tanta timidez? Medo de comparar o torpor pachamâmico atual com a vibração anterior? Continuar lendo

Sínodo da Amazônia: um comentário católico

Entre as várias questões do chamado Sínodo da Amazônia, que não é um verdadeiro sínodo, mas tão só uma reunião para sedimentar o que já foi decidido pela burocracia, existe a de ordenação de homens casados, os viri probati. Particularmente, sempre fui a favor de algo assim, contudo, não dá para chancelar o que vem sendo “debatido” em Roma, pois ao invés de uma discussão com espírito maduro, que entende que o peso da obrigatoriedade deve ser tirado do dom do celibato, e que também compreende a possibilidade de a homens com duas vocações serem abertas outras oportunidades na evangelização e no pastoreio do Povo de Deus, o que temos é  a alimentação de uma agenda feita para minar a doutrina da Igreja e esconder os verdadeiros problemas eclesiológicos da região. Como resposta a tal loucura, publico agora uma reflexão feita pelo Pe. Martin Lazarte, um salesiano uruguaio que foi missionário na África e em vários países na América do Sul, que considero o melhor texto que já li sobre o tema. O artigo apareceu inicialmente em italiano, no jornal Settimana News (12 de agosto), e depois encontrei uma versão dele em inglês no site Asia News (em duas partes, aqui e aqui) e, finalmente, uma tradução na página do Instituto Humanitas da UNISINOS.

Amazônia: Os “viri probati” são uma solução?

Nas mídias de comunicação social, nos debates e nas assembleias de “escuta” sobre o Sínodo pan-amazônico, ouvimos repetir que uma das soluções para resolver o problema da evangelização e o acompanhamento das comunidades cristãs amazônicas, seria a ordenação presbiteral dos chamados “viri probati”, laicos casados, reconhecidos na comunidade por sua integridade de vida e testemunho cristão.

O tema em si é um argumento válido e suscetível de estudo e de discernimento na Igreja, particularmente consciente dos desafios pastorais do mundo de hoje e da tradição das Igrejas orientais a esse respeito.

O problema de fundo não está no tema em si, mas na oportunidade e nas motivações com as quais abordar o tema no Sínodo pan-amazônico, levando em conta a realidade atual. Continuar lendo

Resposta a Dom Orlando Brandes

No último dia 12, D. Orlando Brandes, arcebispo de Aparecida, pronunciou uma escandalosa homilia na qual atacou os tradicionalistas e aquilo que ele entende como direita (provavelmente não sabe o que uma coisa, nem a outra, já que pensa que são grupos superpostos), dizendo:

Temos o dragão do tradicionalismo. A direita é violenta, é injusta, estão fuzilando o Papa, o Sínodo, o Concílio Vaticano II. Parece que não queremos vida, o Concílio Vaticano II, o Evangelho, porque ninguém de nós duvida que está é a grande razão do sínodo, do Concílio, deste santuário.

Aqui vai uma bela resposta de um fiel comum:

Ser querido não é critério para a santidade

Ontem, os jornais de minha cidade noticiaram a Missa celebrada para marcar os 20 anos da morte de D. Helder e num deles (Jornal do Commercio) uma fala do arcebispo D. Fernado Saburino chamou minha atenção:

É um tempo significativo, 20 anos desde que D. Helder partiu para a casa do Pai e continua marcando muito a vida dessa Igreja. As pessoas não esquecem porque ele foi, de fato, um profeta entre nós, alguém muito voltado às questões sociais, com muita sensibilidade com os pobres e luta pelos direitos humanos. Tudo isso faz com que ele seja tão querido. Agora, estamos lutando para conseguir o reconhecimento oficial de Roma. O processo de canonização está indo para frente, peço a Deus que possamos ter essa graça o quanto antes.

Sem querer entrar na questão da santidade ou não de D. Helder e sem trazer nenhum demérito ao arcebispo, prelado sobre o qual não tenho nada a reclamar, muito pelo contrário, o que me fez arregalar os olhos foi a conexão estabelecida entre valorização no campo natural, humano-social, e canonização. Não há nenhuma devoção espalhada entre os católicos recifenses por seu antigo pontífice. Agora é que a arquidiocese preparou uma oração que é distribuída entre o povo e que nunca vi ninguém rezar; certamente existem pessoas devotas a ele, em especial os que conviveram com D. Helder durante os anos 60, 70 e 80, mas são um grupo quantitativamente minoritário e com “fé sócio-política”. E é isso que temos visto nos últimos tempos na fábrica de canonizações do Vaticano, daí a ridícula sequência de papas pós-concilares santos; ou seja, as canonizações agora também servem para se estabelecer pontos numa agenda de política eclesial, não para nos apresentar exemplos de virtudes, exemplos de atualização do Evangelho em cada época e lugar diferente, exemplos de encarnação da doutrina católica, e, portanto, não são mais infalíveis.

“Weapons of Mass destruction”: por que eles destruíram a liturgia primeiro?

Nesse ótimo vídeo, o Pe. Gregory Pendergraft, da Fraternidade de São Pedro, profere uma palestra que foi parte da Conferência de Identidade Católica de 2018, nos EUA, explicando como o processo revolucionário usou a liturgia para minar a fé de milhões de católicos.

Ele começa com uma observação interessantíssima: a maioria dos leigos católicos foi exposta à Missa Nova apenas uma hora ou uma hora e meia por semana, enquanto os padres foram todos os dias e é, exatamente por isso, que o sacerdócio foi praticamente destruído no último meio século.

A partir do Vaticano II a guerra contra o sacerdócio se tornou mais profunda e pronunciada. A remoção da língua sagrada, a rejeição das ordens menores, a remoção das orações ao pé do altar, bem como das múltiplas referências ao sacrifício – tudo foi feito com o propósito de destruir o sacerdócio e transformar a Missa em algo muito parecido com o culto protestante de Thomas Cranmer.

O vídeo está em inglês sem legendas e deixei o título original no post porque o trocadilho presente nele só funciona desse modo.