A Revolução alastrou…

“Revolução alastrou. A Democracia estendeu raízes, deitou ramos, deitou folhas, deitou flor, deitou fruto. Expressão do Mal, Ordem contrária à Ordem Divina, destruiu altares, abateu tronos; democratizou os Reis; transformou-os em chancelas inertes, primeiro passo para correr com eles; e empurrou Deus para os esconsos das nossas consciências, onde não chega a luz nem o ar, considerando sob o mesmo pé de igualdade, seitas heréticas, a perfídia judaica e a Igreja Católica!

E a onda vai galgando tudo, e desfazendo tudo, e desfazendo os mais fortes obstáculos. E perante o panorama demoníaco que o mundo nos oferece, em consequência do impulso tomado pela Revolução, não se quis ouvir a voz de Pio VI, de Pio VII, de Gregório XVI e de Pio IX, e ainda hoje se faz silêncio interessado sobre ela! E quando alguém, repetindo os augustos ensinamentos destes Papas proféticos, grita que a Realeza é o melhor de todos os governos, e que o Sufrágio Universal, alma e condição da República, é uma burla, e que a Igreja Católica não pode ser compatível com a República, filha da Soberania Popular, negação da origem divina do Poder, e campo de cultura da Liberdade de crenças, ou seja do mais nefando dos sacrilégios – saltam-lhe ao caminho os inquietos e os presentes, a acusá-lo de herege.

Pois bem. Posso admiravelmente ser herege, ao lado de Pio VI, Pio VII, Gregório XVI e Pio IX!”

Alfredo Pimenta in A Igreja e os Regimes Políticos, 1942 (via Veritatis).

FSSPX lança o projeto de construção de sua maior igreja no mundo

No meio do terremoto que é o pontificado de Francisco, sinais de esperança, sem surpresa alguma ligados à resistência tradicionalista, pipocam pelo mundo todo. E um dos mais pungentes é o lançamento do projeto daquela que será a maior igreja da FSSPX no mundo, a Igreja da Imaculada, nos EUA (vídeo em inglês):

O novo Lecionário e o ritual do casamento católico

Texto de Peter Kwasniewski traduzido por Cláudio e revisado por Thiago:

Um dos tópicos mais disputados no Sínodo sobre o Casamento e a Família, naqueles felizes anos de 2014 e 2015, foi a possibilidade de admissão à Sagrada Comunhão dos que vivem no que é eufemisticamente chamada de “situação matrimonial irregular” – ou seja, objetivamente, numa situação de adultério. Essa disputa tomou seu lugar ao lado do confronto longo entre os hierarcas da Igreja sobre se a lei canônica deveria realmente ser seguida quando afirma que os pecadores notoriamente públicos – por exemplo, os políticos que dizem ser católicos, mas aprovam o aborto, ou que uniões homoafetivas sejam chamadas de “casamento” – deveriam ter negada a Sagrada Comunhão.

Para mim, o mais impressionante é que nós estamos tendo uma conversa sobre matérias que foram decididas no início do cristianismo, como pode ser visto no Novo Testamento ou nos Padres da Igreja. Surge então a questão: estão simplesmente os católicos inconscientes dos ensinamentos do Evangelho, de São Paulo, e de outros livros das Escrituras no que concerne aos graves males da imoralidade sexual, incluindo a fornicação, o adultério e a sodomia? Estão os católicos inconscientes do solene ensinamento de São Paulo contra a indigna Comunhão Eucarística, que é um pecado mortal e que trará a condenação eterna se não houver o arrependimento? Nas pregações e liturgias, os católicos não são regularmente expostos à luminosidade do ensinamento das Escrituras sobre a bondade, santidade, permanência, fecundidade e hierarquia interna do casamento cristão? Continuar lendo

Ressurreição

Entrevistado da Áustria (em inglês), Michael Matt, editor do mais antigo periódico tradicionalista dos EUA, descreve como a explosão do catolicismo tradicional na Europa assinala as vulnerabilidades fundamentais do modernismo.

Quase 20.000 pessoas se reuniram no fim de semana de Pentecostes para fazer a peregrinação Paris-Chartres, indicando duas coisas: Continuar lendo

Regras bergoglianas para a Comunhão :(

Defender posições contrárias à moral ou viver amancebado não impedem a Comunhão, mas se você quiser se ajoelhar diante do Senhor: Anátema!

Um bispo nomeado pelo Papa Francisco, D. Celestino, como administrador  interino da maior diocese do Chile, Santiago, recusa a Eucaristia a quem se ajoelha para recebê-la na Missa crismal:

Previsão: em breve será crime receber enquanto se acredita na Transubstanciação.