Categorias
História Nossa Senhora

Imagem Peregrina da Virgem do Carmo

Imagem Peregrina da Virgem do Carmo deixa o Recife em um C-47 da FAB em visita a 20 capitais e 34 cidades do Brasil (Arquivo Nacional, 15-08-1950).

Carmo

Em 11-07-1951, a imagem da Virgem, a bordo do navio “Guanabara” da Marinha de Guerra do Brasil, retornou ao Recife para as comemorações dos 700 anos do Escapulário do Carmo no 7º Congresso Nacional do Escapulário, realizado no Parque 13 de Maio entre os dias 11 e 16-07-1951.

Categorias
Apologética Espiritualidade Liturgia Nossa Senhora Oração

O Rosário soa a trombeta do Novo Israel

Tradução e adaptação de um texto do Dr. Peter Kwasniewski:

Se saírdes de vosso país para fazer a guerra contra os inimigos que vos atacam, fareis soar, com estrépido, as trombetas, e o Senhor vosso Deus se lembrará de vós, para vos livrar das mãos dos vossos inimigos. (Números X, 9)

Na tradição judaica, a trombeta, ou o shofar, era tocada para anunciar a lua nova, o novo mês e o novo ano; anunciar a vinda do Senhor (lembremos de como a Festa das Trombetas é celebrada antes do Dia da Expiação); reunir o povo para o Senhor (os judeus até acreditavam que esse seria o mecanismo que convocaria os mortos para virem ao Julgamento Final); e para soar o alarme e começar o ataque (lembremos das histórias sobre os muros de Jericó e as outras batalhas do Antigo Testamento onde a Arca da Aliança foi levada para a batalha).

O livro do Apocalipse nos dá uma palavra sobre a trombeta. Em dois versículos particulares, São João identifica a trombeta com as palavras de um anjo: “Cai em êxtase, no dia do Senhor, e ouvi por detrás de mim uma grande voz, como de trombeta” (Apocalipse I, 10); “Depois disto tive uma visão: Uma porta estava aberta no céu, e a voz, aquela primeira voz que eu tinha ouvido, como de trombeta, falava comigo, dizendo: ‘Sobe aqui e mostrar-te-ei as coisas que devem acontecer depois destas'”.

O Apóstolo João, que certamente celebrou a Festa das Trombetas (Rosh Hashanah), entendia que essa festa não podia ser simplesmente abolida, antes deveria encontrar um significado no Evangelho, segundo o princípio: “Não julgueis que vim abolir a lei ou os profetas; não vim para os abolir, mas sim para os cumprir” (Mateus V, 17). As festas deveriam continuar de alguma maneira no tempo da graça. Mas o que corresponderia a essa festa no Novo Testamento, a na Igreja atual?

Categorias
Eventos Nossa Senhora

Festa de Nossa Senhora do Rosário

Categorias
Crise Espiritualidade Nossa Senhora Oração

O Rosário e os Mistérios Luminosos (3): conselhos práticos

Seguindo os posts sobre os Mistérios Luminosos do Rosário, apresento agora um vídeo de Tayllor Marshall sobre como ele lida com essa questão (na verdade, temos aqui a colocação em prática dos princípios que apresentei na primeira publicação desta série):

Em resumo, para quem não entende inglês (deveria!): ele não reza os Mistérios Luminosos quando está sozinho, já que não formam o Rosário como revelado por Maria Santíssima e são mais uma novidade desnecessária que só causa divisões; se está em um grupo onde as pessoas fazem questões de rezá-los, ele acompanha o grupo sem problemas, já que tais mistérios são ortodoxos, bíblicos e criados por um santo carmelita, só não os conta para seu Rosário pessoal.

Categorias
Espiritualidade Nossa Senhora

Por que rezar o Rosário?

Uma explicação (em inglês) ao mesmo tempo concisa e profunda do bispo norte-americano Robert Barron sobre os motivos que nos levam a rezar o Rosário:

Categorias
Nossa Senhora

Imaculada Conceição: Rainha de Portugal

Salve, nobre Padroeira
Do Povo, teu protegido,
Entre todos escolhido,
Para povo do Senhor.

Ó glória da nossa terra,
Que tens salvado mil vezes,
Enquanto houver Portugueses,
Tu serás o seu amor.

Com tua graça e beleza
Um jardim não ornas só,
Linda flor de Jericó,
De Portugal és a Flor!

Flor de suave perfume,
Para toda a Lusa gente,
Entre nós, em cada crente
Tens esmerado cultor.

Acode-nos, Mãe piedosa,
Nestes dias desgraçados,
Em que vivemos lançados
No pranto, no dissabor.

Lobos famintos, raivosos
O teu rebanho atassalham,
As ovelhas se tresmalham,
Surdas à voz do pastor.

Da fé a lâmpada santa,
Que tão viva outrora ardia,
Se teu zelo a não vigia,
Perde o restante fulgor.

Ai! da Lusa sociedade,
Se o sol do mundo moral
Se apaga... Ó noite fatal!
Ó noite de negro horror!

És a nossa Padroeira,
Não largues o padroado
Do rebanho confiado
A teu poder protector.

Portugal, qual outra Fénix,
À vida torne outra vez.
Não se chame Português
Quem cristão de fé não for.

Hino composto pelo Padre Francisco Rafael da Silveira Malhão, por ocasião da proclamação do dogma da Imaculada Conceição, pelo Beato Pio IX, a 8 de dezembro de 1854. (via Veritatis)

Categorias
Arte Cultura Liturgia Nossa Senhora

Missa Assumpta est Maria (Palestrina)

Duração de cada parte:

1. Antífona: Assumpta est Maria 0:28 2. Kyrie 4:51 3. Gloria 4:36 4. Credo 7:30 5. Sanctus 3:06 6. Benedictus 3:00 7. Agnus Dei I 2:46 8. Agnus Dei II 3:34

Categorias
Liturgia Nossa Senhora

Vésperas solenes do Ofício Parvo seguidas de adoração ao Santíssimo Sacramento

Filmagem das Vésperas solenes cantadas do Ofício Parvo seguidas de adoração do Santíssimo Sacramento no Seminário Maior de Lublin (Polônia – os Salmos foram cantados em polonês):

Para saber mais sobre o Ofício Parvo visite esta página.