Categorias
Brasil profundo História

Um livro de catequese fundamental para a antropologia brasileira

Muitos fatos interessantíssimos da história de nosso país continuam desconhecidos da maior parte da população, seja pela maneira como a formação do Brasil é ensinada nos estabelecimentos de ensino, seja pela falta de interesse de vários compatriotas que não entendem que ninguém pode se amar verdadeiramente enquanto não se conhecer (e para nos conhecermos temos de entender algo sobre a nação e a civilização em que a Providência quis que nascêssemos). Isso se agrava ainda mais no que tange à história da Igreja no Brasil, muitas vezes lida de modo superficial e/ou ideologizado; assim, me surpreendeu positivamente saber que no ano de 1709 foi publicado o Catecismo Indico da Língua Kariris de autoria do Frei Martinho de Nantes, missionário capuchinho francês, e publicado por Frei Bernardo de Nantes.

O catecismo do Frei Martinho foi escrito em duas línguas, português e cariri dzubucuá. Esta última era a língua falada pelos índios cariris dzubucuás que, num certo momento da história, habitavam a região do rio São Francisco, especialmente a região compreendida entre Cabrobó e Orocó no atual estado de Pernambuco.

Na apresentação, a obra coloca como objetivo “servir ainda cá (Portugal) aos índios, já que não o posso mais fazer lá, e ter a consolação de poder ainda continuar de algum modo no meu retiro o exercício da missão.” O catecismo foi publicado em Portugal, todavia foi produzido “nos annos que gastei em seu ensino, e regimento espiritual”. Isto quer dizer que a obra foi escrita durante o trabalho de catequese com os cariris nas ilhas de Aracapá, Irapuá (= Santa Maria) e Pambu (= Ilha da Assunção). Ou seja, essa obra foi publicada em Portugal, mas foi escrita no Brasil, e interessa a toda a Igreja, aos estudiosos das culturas indígenas, aos catequistas e de modo especial aos moradores do submédio São Francisco que trazem marcas genéticas e culturais dos cariris.

Fonte: The Jesuits: Cultures, Sciences, and the Arts, 1540-1773 (publicado originalmente na página A Terra da Santa Cruz e adaptado para este blog)

Categorias
Brasil profundo

Povos tradicionais do Brasil

A esquerda identitária e a direita subserviente a miragens internacionais desconhecem o verdadeiro Brasil e, desse modo, são incapazes de notar aquilo que formamos de próprio (e que é o que deve ser valorizado em primeiro lugar) como nossos “povos”. Antes de falar em afro-brasileiros ou ítalo-brasileiros, ou qualquer outra nomenclatura que dê a ideia de algo que ainda não está devidamente assentado na unidade nacional, valorizemos a riqueza que vem retratada no seguinte mapa:

Categorias
Apologética Brasil profundo História Monarquia

Ação de graças pelo fim da escravidão

Missa campal celebrada em 1888, no Campo de São Cristóvão, Rio de Janeiro, em ação de graças pelo fim da escravidão no Brasil. Na imagem pode ver-se a Princesa Isabel. Clique na imagem para ampliá-la.

Categorias
Brasil profundo Monarquia Política

A mensagem da rainha, a pandemia e a nossa forma de governo

Acabei de ver o seguinte vídeo, que é a mensagem de Natal da rainha Elizabeth II do Reino Unido:

Além da bela reflexão cristã, perfeitamente inserida numa sociedade com diversidade de religiões, como é a de seu país nos dias de hoje, essa mensagem reforçou em mim algo que notei no vídeo que a soberana gravou no começo da quarentena do COVID-19 em seu país:

Categorias
Brasil profundo História Política Sociedade

Quando o nível e os valores eram outros: Plínio Salgado – Arquivo Sonoro da Câmara dos Deputados (1961)

1) Evento: Câmara dos Deputados – Sessão Ordinária; Data: 24/08/1961; Orador: Plínio Salgado; Qualificação: Deputado Federal; Anotação: Aparte.

2) Evento: Câmara dos Deputados – Sessão Ordinária; Data: 25/08/1961; Orador: Plínio Salgado; Qualificação: Deputado Federal; Anotação: Encaminhamento de Votação.

3) Evento: Congresso Nacional – Sessão Extraordinária; Data: 28/08/1961; Orador: Plínio Salgado; Qualificação: Deputado Federal.

4) Evento: Congresso Nacional – Sessão Extraordinária; Data: 30/08/1961; Orador: Plínio Salgado; Qualificação: Deputado Federal.

Categorias
Brasil profundo Cultura

O bruxo do Brasil

Um das piores coisas que aconteceram depois da implantação do ENEM, para mim, foi o lugar secundário que a literatura passou a ter no ensino médio. As universidades agora não podem valorizar escritores locais e nem os alunos se veem realmente incentivados a ler as obras de alcance nacional (lembro que no meu terceiro ano li 12 livros…), pois se contentam com resumos ou textos que fazem a análise do autor X ou Y. Tenho pena de estudantes que chegam ao ensino superior sem conhecerem verdadeiramente “o bruxo do Cosme Velho”, cuja vida foi resumida no texto abaixo (de autoria de Paulo Gustavo, membro da Academia Pernambucana de Letras, e publicado no Jornal do Commercio de Recife em 13 de abril do corrente ano):

Este ano completam-se 110 anos da morte de Machado de Assis, e ainda assim haverá muito o que dizer sobre ele. Isso pelo simples motivo de que sua obra tem uma amplitude humana inescapável. Transcende à órbita literária: é um dos pontos altos do que até agora pôde produzir a cultura brasileira. Dessa cultura foi um dos maiores intérpretes. Como artista, Machado foi, para usar a linguagem de Ezra Pound, uma antena da raça. Não foi apenas o “bruxo do Cosme Velho”, como o apelidaram. Foi o bruxo do Brasil, o grande mago. Mas um mago apolíneo, atrás de um contido mármore que escondia sua gigantesca sensibilidade.

Categorias
Brasil profundo Contrarrevolução Política

Brasil Profundo vs Engenharia Social

Categorias
Brasil profundo Nossa Senhora

A mensagem de Aparecida