Da fraqueza e ineficiência da democracia

“Os defeitos da democracia política como sistema de governo são tão óbvios, e têm sido tantas vezes catalogados, que não preciso mais do que resumi-los aqui. A democracia política foi criticada porque conduz à ineficiência e fraqueza de direção, porque permite aos homens menos desejáveis obter o poder, porque fomenta a corrupção. A ineficiência e fraqueza da democracia política tornam-se mais evidentes nos momentos de crise, quando é preciso tomar e cumprir decisões rapidamente. Averiguar e registrar os desejos de muitos milhões de eleitores em poucas horas é uma impossibilidade física. Segue-se, portanto, que, numa crise, uma de duas coisas tem de acontecer: ou os governantes decidem apresentar o facto consumado da sua decisão aos eleitores – em cujo caso todo o princípio da democracia política terá sido tratado com o desprezo, que em circunstâncias críticas ela merece; ou então o povo é consultado e perde-se tempo, frequentemente, com consequências fatais. Durante a guerra todos os beligerantes adotaram o primeiro caminho. A democracia política foi em toda a parte temporariamente abolida. Um sistema de governo que necessita de ser abolido todas as vezes que surge um perigo, dificilmente se pode descrever como um sistema perfeito.”

Aldous Huxley in “Sobre a Democracia e outros estudos”, 1927


A realeza de Cristo

Reflexão do Prof. Nougué sobre o reinado social de Jesus Cristo (como todos sabem, não gosto do estilo do autor, aliás, de nenhum tomista, mas o conteúdo tem joias preciosas):

Para acompanhar esse vídeo, sugiro a leitura e consulta do Catecismo da Realeza de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Sobre a origem da festa litúrgica que comemora essa verdade e, em especial, a distorção dela que tentaram fazer na deforma litúrgica de Paulo VI, indico a leitura deste texto e a deste outro.

Sempre a mesma

No fim de semana duas igrejas foram queimadas no Chile por esquerdistas em comemoração aos protestos do ano passado, que ameaçam destruir o país a depender do resultado do futuro plebiscito. O século muda, mas a esquerda permanece com os mesmos hábitos. Infelizmente muita gente na Igreja, a começar do Papa, parece cega a tudo isso.

Os católicos que se fiaram na eleição de Bolsonaro para deter o movimento revolucionário devem se atentar a esse fato, ocorrido num país que era tido como exemplar em muitos quesitos, e à eleição, domingo, de um apoiador de Evo Morales na Bolívia; ou seja, não podemos confiar na estabilidade de situações políticas menos contrapostas ao reinado social de Nosso Senhor Jesus Cristo como solução para deter o comunismo e suas mutações na América Latina.

Sobre o tema, mas ampliando a questão para todo tipo de perseguição a quem segue (ou diz seguir) o Cristo, vale a pena uma olhada neste vídeo: