O crepúsculo da ironia

Nos últimos anos tem sido complicado falar em público, pois os indivíduos e os grupos estão cada vez mais sensíveis, reclamando ou rindo de tudo e todos menos de si mesmos, e compreendendo o que se diz no sentido mais literal. O primeiro problema, para mim, tem sua gênese no fato da imaturidade, concretizada num alongamento da adolescência, ter se tornado um dado cultural valorizado; o segundo, por sua vez,  deriva de um nível de articulação linguística baixo, fruto da falta de leituras mais longas e complexas que mensagens no celular, que tolhe a imaginação (ou pelo menos a maneira dela se articular). Assim sendo, como reflexão sobre esse problema, vou postar para os leitores um texto interessantíssimo, de autoria de José Francisco Botelho, que foi publicando na revista Veja de 4 de outubro deste ano (O crepúsculo da ironia – Uma defesa do humor que recusa explicar-se):

“Certo americano muito experiente, a quem conheci em Londres, me garantiu que uma criança saudável e bem alimentada é, com a idade de 1 ano, um petisco bastante nutritivo e salutar, seja fervida, assada, grelhada ou cozida. E não tenho dúvida de que seria ótimo ingrediente para um fricassê ou um ensopado.” Escritas pelo irlandês Jonathan Swift, essas palavras permanecem um dos exemplos mais apetitosos da ironia na literatura: gerações e mais gerações de leitores  experimentaram a mesma hilariante sensação de culpa ao alcançar a assombrosa punchiline. O trecho faz parte de Uma Modesta Proposta para Evitar que as Crianças dos Pobres Sejam um Fardo aos Seus Genitores e ao Seu País, escrita em 1729 – época em que a carestia devastava a terra natal do autor. Seguindo o esquema de um rigoroso argumento lógico, Swift sugere que os irlandeses desvalidos transformem seus filhos em guisados e os vendam aos conterrâneos ricos, em nome do equilíbrio econômico e dietético da nação. Será preciso explicar que o elogio ao canibalismo é uma figura de linguagem, que Swift estava criticando a incompetência das autoridades e que o sarcasmo selvagem era uma forma de sublinhar uma realidade igualmente intolerável? Não duvido que o caro leitor seja capaz de captar a ironia; mas, hoje em dia, há sempre o risco de alguém lavar as coisas ao pé da letra. Continuar lendo

Idolatria Moderna

Todas as coisas criadas são intermediários, sinais, aparências. Mas algumas, dentre elas, são intermediários em segundo grau, sinas de sinais, aparências de aparências. Assim sucede com o dinheiro, as honrarias, os títulos, os prazeres artificiais, etc. E são precisamente estes fantasmas o objeto preferido da idolatria moderna, são estes bens ultra-relativos os que mais captam o nosso desejo de absoluto. Já se não adora o sol, as plantas ou os animais (que pelo menos têm o mérito de serem intermediários necessários entre o homem e o seu fim supremo), mas sim uma etiqueta política, uma condecoração, uma nota de papel.

Como o culto antigo de Cybelis, o de Cypris, ou mesmo o de Príape, que correspondiam às profundas realidades naturais, se revelam sãos e vivos em comparação com o culto actual dos mais vãos elementos da nossa existência! A idolatria moderna rege-se pela lei do menor coeficiente de realidade. E ainda quando se abate sobre coisas necessárias e naturais, as despoja da sua realidade, da sua substância, fá-las sobras e joguetes. Assim, a idolatria do amor sexual não adora, na mulher, a esposa ou a mãe tal como Deus a quis; substitui-a, segundo incida sobre o corpo ou sobre a alma, quer por um instrumento de prazer estéril, isto é, um ser degradado, quer por um produto de sonhos impossíveis, isto é, um ser imaginário. A idolatria antiga (pelo menos na sua fase inicial) elevava para Deus as coisas da natureza, enquanto que a idolatria moderna as degrada até ao nada.

– Gustave Thibon (O pão de cada dia. Colecção Éfeso, Lisboa: Editorial Aster)

Latim, a lingua ideal da liturgia no Ocidente

O Motu Proprio do Papa Francisco sobre a liturgia, Magnum Principium, ainda não teve seu alcance totalmente entendido, e nem acho que isso se depreenda da exege de seu texto, como alguns quiseram fazer, antes, ele vem atender aos anceios psicológicos dos membros de certas conferências episcopais, como a brasileira, que temem que aconteça com a Missa Nova em português brasileiro o que aconteceu em 2011 nos EUA, isto é, o uso de uma tradução mais fiel ao latim. Desse modo, para se contrapor a mais essa bomba relógio, vou publicar minha tradução e adaptação do capítulo 12 do livro Resurgent in the Midst of Crisis: Sacred Liturgy, the Traditional Latin Mass, and Renewal in the Church, de Peter Kwasniewski, no qual esse conhecido estudioso da liturgia faz uma reflexão pessoal sobre o latim:

Muitos argumentos convincentes podem ser e foram dados em favor da preservação da língua latina na vida litúrgica da Igreja Católica Romana – até mesmo o Concílio Vaticano II, na sua Constituição sobre a Sagrada Liturgia, a Sacrosanctum Concilium (1963), fez isso, seguindo de perto a impressionante Constituição Apostólica Veterum Sapientia (1) de João XXIII (1962). Como sabemos, as afirmações deste último Papa e do Vaticano II sobre o latim litúrgico foram mais ou menos canceladas pelas decisões mal refletidas de Paulo VI, que mais uma vez demonstrou ao mundo que se o Sumo Pontífice goza do carisma da infalibilidade ao ensinar verdades sobre a fé e a moral, não tem essa graça nos seus julgamentos prudenciais, incluindo as disposições sobre os elementos mutáveis da liturgia. De qualquer forma, meu propósito aqui não é catalogar e rever os argumentos em favor da língua latina, uma tarefa, como disse, exaustivamente feita por outros ao longo dos séculos, mas falar meramente sobre minha experiência pessoal, sobre onde e quando a unidade impressionante do latim teria feito mais sentido que a Babel das línguas vernáculas.

Eu e minha esposa moramos na Áustria por sete anos e meio. Estar na Europa me convenceu acima de todas as dúvidas que a mudança pós-conciliar do uso exclusivo do vernáculo na Missa foi a mais pueril de todas. Ao invés de tornar a Missa mais acessível, ela a localiza, particulariza e relativiza, fechando-a a quem não fala a língua local; turistas ou imigrantes católicos são empurrados a um ambiente estrangeiro que os aliena mais do que a solenidade do latim litúrgico alienou um simples camponês do passado. De fato, devido à sua aura penetrante de sacralidade e seu perceptível foco no mistério da Eucaristia, a liturgia tradicional, mesmo quando não tem suas palavras totalmente entendidas, molda melhor a alma que a nova liturgia cerebralmente compreendida. Continuar lendo

Concerto Stabat Mater

Em comemoração aos 90 anos da Paróquia Nossa Senhora da Soledade (Recife), o Ensemble Vocal Cantamus apresenta o concerto “Stabat Mater”, cuja temática reflete o sofrimento de Cristo na cruz, através da dor e da percepção de sua Mãe, Maria Santíssima.

No programa, dentre outras peças, estão a Cantata “Widerstehe doch der Sünde” BWV 54, tendo como solista o Contratenor Sebastião Câmara, e a aria “Blute nur, du liebes Herz” da Matthäus-Passion, cantada pela soprano Nadja Sousa. Finalizando o concerto, teremos o “Stabat Mater” Op. 138 do compositor Liechtensteinense Joseph Rheinberger.

A entrada é franca.

A construção e destruição dos ciclos culturais

Gravação de uma pequena palestra de Mário Ferreira dos Santos, na qual ele analisa as etapas de destruição e construção dos ciclos culturais, dando destaque às fases histórico-sociais pelas quais eles passam e às forças antagônicas representadas pelo termo médio (aquele que dá coesão ao ciclo = consenso constituído por uma teovisão, a autoridade que promana dela e a comunidade de interesses éticos) e pelos elementos antitéticos (conceitos remanescentes de outros ciclos, valorização excessiva do cosmológico, a centralidade do homem, a negação de nossa capacidade cognoscitiva – agnosticismo, niilismo -, valorização da filosofia contra a teologia, a ciência prática tomada apenas no seu aspecto empirista):

Gostaria muito de ouvir à outra palestra sobre a qual ele se refere no final e que trata de como se pode restaurar o termo médio sem cair na ilusão romântica.

É interessante como o fim de um ciclo da maneira descrita por Mário se encaixa perfeitamente na situação atual do Ocidente e de como isso remete à obra clássica de Guenon A crise do mundo moderno.