Obras Católicas começa a publicar livros

O site Obras Católicas, surgido no tempo do saudoso Orkut por iniciativa de confrades da comunidade Apologética Católica (em especial do Eduardo e do Paulo Frade), se tornou um marco na história da Igreja no Brasil, pois colocou em circulação os tesouros que a crise pós-conciliar e a falta de memória de nosso povo tinham enterrado nas décadas 70, 80 e 90. Nele, aqueles livros que garimpávamos com muita sorte nos sebos se tornaram acessíveis a qualquer pessoa com acesso à internet; lembro que anos atrás conheci um padre que tinha estudado no Paraguai e que me contou que nos seus tempos de seminário o acervo do Obras Católicas era mais usado que a biblioteca da instituição.

Então, é com grande alegria que compartilho com os leitores uma nova iniciativa do Obras: a publicação de livros. E primeiro já foi lançado, são as Instruções Marianas, do Pe Gabriel Maria Roschini, O. S. M.

O Pe. Gabriel Maria Roschini, sacerdote da Ordem dos Servos de Maria (+1977), foi um dos mais importantes mariólogos do século XX e fundador da Faculdade Teológica Marianum, em Roma. Continuar lendo

Para reconstruir a cultura católica, temos de reconstruir a cultura

Tradução e adaptação de um texto do Dr. Joseph Shaw publicado no Life Site News:

Um amigo meu, comentando sobre o problema de transformar a escola nominalmente católica que seu filho frequenta numa escola genuinamente católica, lembrou que antes disso ela tinha que se tornar uma escola de verdade. Seu ponto era que essa instituição era tão ruim que não só falhava em transmitir a fé, mas sequer cumpria aquilo que se espera de qualquer estabelecimento de ensino: transmitir conhecimento. Não faz sentido falar numa escola católica se não há nem mesmo uma escola. Continuar lendo

Declaração de um historiador agnóstico

Sempre e por toda a parte, desde há mil e oitocentos anos, quando o Cristianismo desfalece, os costumes públicos e privados degradam-se. Na Itália, durante a Renascença, na Inglaterra, sob a Restauração, em França, durante a Convenção e o Directório, viu-se o homem tornar-se pagão como nos primeiros séculos. Achava-se como no tempo de Augusto ou de Tibério, voluptuoso e duro. Abusava dos outros e de si próprio. O egoísmo brutal e calculista tomara o ascendente. Faziam estendal a crueldade e a sensualidade. A sociedade convertia-se numa Falperra e em lugar suspeito.

Hippolyte Taine, citado por Jacques Ploncard d’Assac em Três Estudos Políticos, 1956.