A Revolução alastrou…

“Revolução alastrou. A Democracia estendeu raízes, deitou ramos, deitou folhas, deitou flor, deitou fruto. Expressão do Mal, Ordem contrária à Ordem Divina, destruiu altares, abateu tronos; democratizou os Reis; transformou-os em chancelas inertes, primeiro passo para correr com eles; e empurrou Deus para os esconsos das nossas consciências, onde não chega a luz nem o ar, considerando sob o mesmo pé de igualdade, seitas heréticas, a perfídia judaica e a Igreja Católica!

E a onda vai galgando tudo, e desfazendo tudo, e desfazendo os mais fortes obstáculos. E perante o panorama demoníaco que o mundo nos oferece, em consequência do impulso tomado pela Revolução, não se quis ouvir a voz de Pio VI, de Pio VII, de Gregório XVI e de Pio IX, e ainda hoje se faz silêncio interessado sobre ela! E quando alguém, repetindo os augustos ensinamentos destes Papas proféticos, grita que a Realeza é o melhor de todos os governos, e que o Sufrágio Universal, alma e condição da República, é uma burla, e que a Igreja Católica não pode ser compatível com a República, filha da Soberania Popular, negação da origem divina do Poder, e campo de cultura da Liberdade de crenças, ou seja do mais nefando dos sacrilégios – saltam-lhe ao caminho os inquietos e os presentes, a acusá-lo de herege.

Pois bem. Posso admiravelmente ser herege, ao lado de Pio VI, Pio VII, Gregório XVI e Pio IX!”

Alfredo Pimenta in A Igreja e os Regimes Políticos, 1942 (via Veritatis).

FSSPX lança o projeto de construção de sua maior igreja no mundo

No meio do terremoto que é o pontificado de Francisco, sinais de esperança, sem surpresa alguma ligados à resistência tradicionalista, pipocam pelo mundo todo. E um dos mais pungentes é o lançamento do projeto daquela que será a maior igreja da FSSPX no mundo, a Igreja da Imaculada, nos EUA (vídeo em inglês):

Ressurreição

Entrevistado da Áustria (em inglês), Michael Matt, editor do mais antigo periódico tradicionalista dos EUA, descreve como a explosão do catolicismo tradicional na Europa assinala as vulnerabilidades fundamentais do modernismo.

Quase 20.000 pessoas se reuniram no fim de semana de Pentecostes para fazer a peregrinação Paris-Chartres, indicando duas coisas: Continuar lendo

Para reconstruir a cultura católica, temos de reconstruir a cultura

Tradução e adaptação de um texto do Dr. Joseph Shaw publicado no Life Site News:

Um amigo meu, comentando sobre o problema de transformar a escola nominalmente católica que seu filho frequenta numa escola genuinamente católica, lembrou que antes disso ela tinha que se tornar uma escola de verdade. Seu ponto era que essa instituição era tão ruim que não só falhava em transmitir a fé, mas sequer cumpria aquilo que se espera de qualquer estabelecimento de ensino: transmitir conhecimento. Não faz sentido falar numa escola católica se não há nem mesmo uma escola. Continuar lendo