O silêncio salvador de Pio XII

Um interessante texto do Conde publicado no YouTube:

quotePio XII foi um dos papas mais caluniados da história. Em particular, uma certa historiografia judaica militante, tendenciosa, de matriz sionista, tenta a todo custo culpar os cristãos pelo antissemitismo e holocausto, fazendo da Igreja um espantalho do nazismo. Contudo, a tese é muito forçada. Diria que fraudulenta até, pois comete muitos anacronismos históricos, como também falseia o real posicionamento dos judeus perante os cristãos. Os judeus, no geral, sempre tiveram uma atitude de ódio ao cristianismo. Sempre que tiveram oportunidade, hostilizavam os cristãos e hostilizam até hoje. E mesmo com todos os conflitos entre cristãos e judeus, a Igreja sempre tentou agir com prudência. Protegia-os das vexações e violências. Continuar lendo

Pe. Heinrich Maier: um martir da luta contra o nazismo

A história do Pe. Heinrich Maier, uma das últimas vítimas do nazismo em Viena:

Após a guerra, a biografia dele ficou como que “escondida”, pois além de ter agido contra as ordens dos superiores, o que a tornava incômoda do ponto de vista eclesiológico, ele era monarquista, e, por pressão de Stalin, essa posição política virou um tabu na Áustria.

500 anos da excomunhão de Martinho Lutero

the-devil-eduard-schoenO Veritatis lembrou-me hoje que a 3 de janeiro de 1521 o Papa Leão X excomungava o heresiarca Martinho Lutero, a quem o poeta português Garcia de Resende dedicou estes justíssimos versos (in «Miscelânea», 1554 – póstumo):

Com heresias e manha
Vimos o falso Lutero
Converter em Alemanha
Tanta gente, que é façanha
Na maior força do império:
Contra nossa fé pregando,
E do Papa blasfemando,
Dos Bispos, dos Cardeais,
Venceu batalhas campais
A grande gente do seu bando.

Com sua língua maligna,
E preceitos desonestos,
Semeia sua doutrina
Cheia de luxúria indigna
E vergonhosos incestos:
O que mais deve doer,
É que vemos estender
Este veneno a mais terras
E com pestíferas guerras
Tarda remédio poer.

E a quem o Papa eleito considera um “reformador, que tinha boas intenções”…

O Te Deum na véspera do ano novo

Tradução e adaptação de um texto originalmente publicado no New Liturgical Movement:

É um costume secular nas igrejas católicas o canto do Te Deum, o hino de ação de graças por excelência, no dia 31 de dezembro, para agradecer pelas bênçãos recebidas ao longo do ano que passou. Em Roma, o Papa e os cardeais residentes tradicionalmente atendem à cerimônia do Te Deum na igreja do Sagrado Nome de Jesus, conhecida como “il Gesù”, a igreja mãe dos jesuítas. No anos recentes, contudo, essa cerimônia tem sido celebrada em São Pedro, junto às primeiras Vésperas da Solenidade de Maria, Mãe de Deus, e de uma bênção eucarística. Continuar lendo

Cristianização das festas pagãs

Essa sequência no Twitter nos mostra que a chamada cristianização das festas pagãs foi algo bem mais complexo do que se pensa:

Without getting into the ins and outs of the ‘Is Christmas pagan?’ debate, it’s worth dealing with some faulty assumptions people often make about the ‘Christianisation’ of pre-Christian traditions (buckle up for the thread…)

First of all, language people use in this area can be quite emotive, e.g. talk of Christians ‘usurping’ or ‘sanitising’ a pre-existing pagan festival. There’s a tendency to ascribe a collective agency that never existed to ‘the Church’ or ‘Christians’ when it comes to Midwinter

Continuar lendo