Índice das Escrituras no Missal romano (1962)

Mais uma vez apresento aos leitores uma tabela que nos ajuda a descobrir o patrimônio espiritual presente no Missal romano (tradicional e de 62, obviamente), que é o melhor modo de respondermos ao Motu Impróprio de Francisco, o peronista; no caso, temos um índice com os trechos de cada livro da Bíblia:

É bom lembrar, contudo, que a superioridade do Lecionário tradicional não está na quantidade, mas na qualidade aliada a um ciclo natural.

Lançamento litúrgico do ano: Diurnal Monástico tradicional

diurnalEste não tem sido um ano fácil: segunda onda do COVID, turbulência política sem fim, crescimento das tensões militares no extremo-oriente e, para completar, o caudilho, digo, o Papa Francisco mais uma vez abusou de sua autoridade com a publicação de um Motu Proprio baseado em fantasias e erros. Sobre esse último aspecto, que é o único em que posso tentar intervir concretamente, após um desânimo inicial, logo me veio a conclusão de que o melhor modo de se contrapor ao “francisquismo” é valorizando cada vez a principal forma de liturgia com que o Espírito Santo presenteou a Igreja ocidental: o rito romano tradicional.

Isso pode se dar basicamente de dois modos: pela participação nos atos de culto e pelo estudo dos tesouros presentes neles. Claro, nesses dois casos qualquer católico pensa logo na Missa, mas além dela temos o Ofício Divino. Ao longo dos séculos o Ofício se afastou muito da vida diária dos fieis, e isso procurou ser corrigido primeiro com o aparecimento dos Ofícios Parvos, do qual o mais famoso, e que também é uma forma pública de culto, é o Ofício Parvo de Nossa Senhora, e, no influxo da parte positiva do movimento litúrgico, pela publicação de versões latim/vernáculo do Grande Ofício (seja dele todo, seja de porções).

Nesse contexto é que entra a republicação do Diurnal Monástico tradicional pela Editora Realeza, ligada ao conhecido site Obras Católicas. Mas vamos procurar refletir sobre a importância desse livro por partes. Continuar lendo

Os quatro velhos e a batalha pela Missa romana tradicional

Tradução e adaptação de um artigo de Jane Stannus:

“Destrua os Quatro Velhos”. Este slogan era central na chamada Revolução Cultural chinesa, lançada em Pequim em 1966. Quais eram os “Quatro Velhos”? Velhas ideias, velha cultura, velhos hábitos e velhos costumes. A destruição começou simplesmente renomeando ruas (qualquer semelhança com o que ocorre hoje no Ocidente, por pressões do “politicamente correto”, não é mera coincidência), lojas e mesmo pessoas, que mudaram seus nomes chineses tradicionais por maluquices do tipo “Vermelho Determinado”.

Revolução culturalA violência logo se seguiu. Guardas vermelhos invadiram as residências dos mais ricos para destruir livros, pinturas e objetos religiosos. Prédios históricos foram demolidos ou tiveram sua visitação vetada. Cemitérios nos quais estavam os restos mortais de notáveis da época pré-revolucionária foram vandalizados, suas tumbas dessacralizadas. Antigos costumes em torno do matrimônio, de festivais e da vida familiar proibidos. Templos e igrejas foram derrubados ou vertidos para algum uso secular.

Por que? Por que tudo isso foi necessário?

Porque, segundo o entendimento de Mao, as tradições do passado tinham de ser destruídas para dar lugar a novas ideias, a uma nova cultura, novos hábitos e novos costumes. Em resumo: o comunismo marxista é tão estranho a qualquer sociedade tradicional, que as pessoas identificadas com ela, seja cultural ou religiosamente, são psicologicamente incapazes de aceitá-lo. Continuar lendo

Diferenças cantando no começo da Missa

Um vídeo interessantíssimo sobre as diferenças que ocorrem quando se canta no começo de uma Missa no rito romano tradicional e no rito paulino (ele remete ao princípio de paralelismo, explicado aqui) – diferenças o bastante para mostrar que a “reforma da reforma”, que alguns neocons estão tentando ressuscitar após o Motu Impróprio, é natimorta: