O Tracto quaresmal Domine, Non Secundum

Dómine, non secundum peccáta nostra, quae fécimus nos: neque secundum iniquitátes nostras retríbuas nobis. V. Dómine, ne memíneris iniquitátum nostrárum antiquárum: cito antícipent nos misericordiae tuae, quia páuperes facti sumus nimis. Hic genuflectitur V. Adjuva nos, Deus, salutáris noster: et propter gloriam nóminis tui, Dómine, líbera nos: et propitius esto peccátis nostris, propter nomen tuum.

Senhor, não nos trateis conforme merecem os pecados que fizemos, nem segundo a ignomínia das nossas iniquidades. V. Senhor, não Vos lembreis dos nossos crimes passados mas mandai-nos a vossa misericórdia, porque somos muitos pobres, Senhor. Aqui ajoelham todos. V. Ajudai-nos, ó Deus, nossa salvação, e livrai-nos, Senhor, que assim o pede a glória do vosso nome. Pelo vosso nome, sede indulgente com nossos pecados.

Esse belo Tracto se diz em todas a as segundas, quartas e sextas-feiras da Quaresma até a segunda-feira da Semana Santa inclusive (exceto na quarta-feira das Têmporas). Há uma versão polifônica dele do compositor espanhol Juan de Anchieta (1462-1523):

“Minha herança é boa para mim”: agradecendo à Providência

Comemorando o dia em que o Motu Proprio Summorum Pontificum entrou em vigor (14 de setembro de 2007) publicamos hoje um texto do New Liturgical Movement, traduzido por Cláudio e revisado e adaptado por Thiago.

 

Liturgistas progressistas – isto é, todo o establishment durante e depois do Vaticano II, com poucas e notáveis excessões – parecem cometer um erro elementar nas suas opiniões, resvalando no mesmo problema encontrado na crítica bíblica liberal.

Quando os liturgistas escavam a fundo a história dos ritos, eles descobrem muitas mudanças, desenvolvimentos, variações e, aparentemente, eventos inesperados (afinal, você não sabe, mas foi por causa de Carlos Magno que o rito romano substituiu o galicano e assimilou muitos dos seus elementos). Até aí, tudo bem. Mas então eles fazem uma injustificada afirmação: além da “Era de Ouro” do trabalho Apostólico, não devemos reverência a nenhum estágio posterior de desenvolvimento dos nossos ritos litúrgicos. Por exemplo, pelo fato das características barrocas e medievais da liturgia romana terem resultado de acidentes históricos, elas são vistas como passíveis de serem expurgadas pelos cognoscenti, isto é, por aqueles que sabem melhor o que o nosso contexto histórico atual exige. Continuar lendo

Ofício Parvo, edição de 1959

Nota

Acabei de publicar na página do Ofício Parvo mais uma digitalização do mesmo, agora segundo uma edição de 1959. Percebam a atualização no português em relação à edição anterior (muito boa e poética) e as diferenças de rubricas que acompanham as modificações no Breviário Romano (na parte relativa à estrutura desse Ofício, já sistematizei as diferenças).

Dois irmãos e um estranho

Tradução e adaptação de artigo publicado no New Liturgical Movement.

Para mim, e acho que para a maior parte dos tradicionalistas, é uma obviedade a proximidade espiritual entre a Divina Liturgia no rito bizantino e a Missa Romana tradicional, assim como também o é a distância que o Novus Ordo mantém da herança comum das duas formas litúrgicas citadas.

Contudo, às vezes encontramos católicos bizantinos que são levados pelas similaridades superficiais entre o rito bizantino e o Novus Ordo (por exemplo, a de que eles são celebrados geralmente em língua vernácula e em tom audível) e pelas diferenças marcantes entre a liturgia bizantina e o rito romano tradicional (por exemplo, a de que temos um silêncio muito maior no último e de que, aparentemente, as pessoas têm um papel mais “ativo” no primeiro), e acabam defendendo a ideia de que a Divina Liturgia é mais próxima espiritualmente do rito paulino e que, se tiverem de optar, o usus recensior será escolhido sobre o usus antiquior. Por outro lado, os protagonistas e apologistas da “reforma litúrgica romana” muitas vezes fingem ser admiradores da tradição oriental e gostam de apontar as muitas características aparentemente “orientais” da liturgia paulina.

Se é verdade, ao contrário do que acham essas pessoas, que a liturgia bizantina e a liturgia latina tradicional têm muito mais em comum entre si que com o Novus Ordo, demos poder apontar isso com precisão. Assim, proponho que isso pode ser constatado a partir dos seguintes princípios:

  1. O princípio da Tradição;
  2. O princípio do mistério;
  3. O princípio da linguagem elevada;
  4. O princípio da integridade ritual ou estabilidade;
  5. O princípio da densidade;
  6. O princípio da preparação adequada e repetida;
  7. O princípio da veracidade;
  8. O princípio da hierarquia;
  9. O princípio do paralelismo;
  10. O princípio da separação.

Continuar lendo

Estrutura do Ofício Parvo

Dando continuidade à série de postagens sobre o Ofício Parvo, vou agora apresentar uma sistematização da organização dele:

Ofícios:

Existem três Ofícios:

  • O Primeiro, recitado a partir das Matinas do dia 3 de fevereiro até as Vésperas do sábado antes do 1° Domingo do Advento exclusive, com exceção da festa da Anunciação da Santíssima Virgem, na qual se reza o Ofício do Advento;
  • O Segundo, recitado desde as Vésperas do sábado anterior ao 1° Domingo do Advento até as Vésperas do Natal, exclusivamente, e nas Vésperas da festa da Anunciação de Nossa Senhora;
  • O Terceiro, reza-se desde as Vésperas da Vigília do Natal até as Completas do dia 2 de fevereiro inclusive.

Continuar lendo

A culpa é dos pais…

No último dia 23 recebi a feliz notícia que um dos vocacionados saídos do grupo de fiéis ligados à liturgia romana tradicional aqui em Recife foi ordenado sacerdote na Alemanha como membro da Fraternidade de São Pedro. Cheguei a falar dele quando escrevi uma pequena história desse grupo em 2013; na época ele tinha recebido a batina, ato que segundo as normas canônicas antigas implicava na entrada do estado clerical (tais normas hoje só são simbólicas, gostem os traditional borings disso ou não). Há toda uma galeria de fotos da ordenação que pode ser acessada aqui. Continuar lendo