Categorias
Crise Eclesiologia Teologia Vida

Sobre o problema conciliar: testemunho pessoal

No mês de agosto deste ano, o confrade Joathas Bello publicou no Facebook uma série de postagens dando seu testemunho pessoal sobre como passou a enxergar e, depois, a lidar como chamado “problema Conciliar”. Considero que testemunhos pessoais, embora não substituam uma análise científica, são muitas vezes esclarecedores para o entendimento de um problema; assim, com autorização expressa do autor, compilei as referidas postagens no texto que segue abaixo.   

Parte 1

Nunca pude duvidar da eficácia dos sacramentos da reforma litúrgica, porque, por exemplo, logo após minha Confirmação (1991), passei a viver de modo incomum o compromisso apostólico, a fidelidade aos mandamentos e a devoção espiritual, o que só poderia ser obra da Graça.

Anos se passaram, até que, em 2005, tomei conhecimento da controvérsia conciliar através da internet.

Como eu participava de uma nova comunidade conservadora, que se considerava “filha do Concílio”, e acentuava a vocação à santidade, o apostolado dos leigos, a piedade filial mariana, a Missa como Sacrifício do Calvário, e como essa comunidade fazia um apostolado frutuoso, eu não podia desconfiar dos problemas do CVII.

Eles não surgem à consciência num âmbito que vive a nova liturgia com decoro, que preza a oração, a coerência entre fé e vida, o apostolado, e que dá por suposta a “continuidade” [ignorando a crítica tradicionalista e o horizonte pré-conciliar].

Dito de outro modo: quando são “recepcionadas” as partes tradicionais do CVII ou quando ele é lido ingenuamente “à luz da Tradição” pelo senso sobrenatural da Fé, num ambiente tendente à ortodoxia, *o CVII não prejudica a Fé dos batizados*.

E nisto consiste fundamentalmente a *indefectibilidade real da Igreja* quanto ao tópico: num tal contexto de Fé, aquilo que é ambíguo, precário, novidade injustificada, mas que não é um erro frontal contra os artigos do Credo e os mandamentos, *não serve, por si mesmo, de pedra de tropeço* [sequer estas qualidades gramaticais ou lógicas negativas serão visualizadas]; será lido, em princípio, de modo católico [vide as primeiras impressões dos tradicionalistas D. Castro Mayer, Dietrich Von Hildebrand e Gustavo Corção], exceto por aqueles que de qualquer modo cairiam e aproveitaram ou tiveram a ocasião para manifestar o que já havia no coração.

Isto é um aspecto da questão.

Categorias
Filosofia Teologia

O que é o mal?

Categorias
Catequese Filosofia Teologia

Há conflito entre fé e razão?

Categorias
Eclesiologia Teologia

O sentido do mundo é acabar

quoteO sentido do mundo é acabar. Sua finalidade é o cumprimento do número dos eleitos.

E a Igreja, que é a criação perene, o Reino de Deus em germe que irá se manifestar plenamente, está no mundo para evangelizar, para salvar as almas, para educá-las para a virtude, para fomentar a caridade.

Não para “construir o mundo”, não para “cooperar com a fraternidade universal”, não para realizar “a unidade do gênero humano”.

– Joathas Bello (06/10/21, FB)

Categorias
Ética e moral Catequese Teologia

A Luxúria e seus efeitos

Aqui podemos assistir uma excelente palestra do bispo Samborn (provavelmente a seminaristas) sobre o VI Mandamento.

Com a frieza argumentativa de um tomista, sem as maluquices puritanas de muitos católicos e sem o laxismo demoníaco predominante na sociedade moderna, ele explana sobre o sentido do Mandamento Divino, as espécies dos pecados contra esse mandamento e os meios de evitar tais pecados.

Categorias
Crise Eclesiologia Teologia

O Método dos Lugares Teológicos

Transcrevo aqui um trecho do livro Apologia da Tradição de Roberto de Mattei, onde ele explica o devido lugar das fontes da teologia com base num estudo do teólogo dominicano Melchor Cano.

Um caminho seguro para orientar-se na Fé nos é oferecido no método proposto pelo teólogo dominicano Melchor Cano em sua célebre obra De locis theologicis (1562), que contribuiu para reconstruir a teologia da Igreja após as devastações feitas pelo protestantismo.

Os lugares teológicos são o sistema completo de fontes de autoridade a partir do qual e ao qual se deve referir quando se raciocina em matéria de Fé. De acordo com o padre Melchor Cano, os “lugares próprios da teologia” ou os “domicílios de todos os argumentos teológicos a partir dos quais os teólogos podem obter toda a argumentação para provar ou refutar”, são dez, que assim se enumera:

1) O primeiro lugar é a autoridade da Sagrada Escritura que contem os livros canônicos.

2) O segundo é a autoridade das Tradições de Cristo e dos apóstolos, as quais, ainda que tenham sido escritas, chegaram até nós de ouvido a ouvido, para que toda a verdade possam ser chamadas como os oráculos de viva voz.

3) O terceiro é a autoridade da Igreja Católica

4) O quarto é a autoridade dos Concílios, especialmente os Concílios Gerais, nos quais reside a autoridade da Igreja Católica.

5) O quinto é a autoridade da Igreja Romana que, por privilégio divino, é e se chama Sé Apostólica.

6) O sexto é a autoridade dos Santos Padres.

7) O sétimo é a autoridade dos teólogos escolásticos, aos quais podemos acrescentar canonistas (especialistas em direito pontifício), tanto que a doutrina deste direito é considerada quase como outra parte da teologia escolástica.

8) O oitavo é a Razão Natural, muito conhecida em todas as ciências que são estudadas através da luz natural.

9) O nono é a autoridade dos filósofos que seguem a natureza como guia. Entre estes estão, sem dúvida, os Juristas (juristas de autoridade civil), que também professam a verdadeira filosofia(como diz Jurisconsulto)

10) O décimo e último é a autoridade da história humana, tanto a escrita por autores dignos de crédito como transmitida de geração em geração, não supersticiosamente ou como contos de senhoras idosas, mas de um modo sério e consistente.

Nenhum desses lugares teológicos é absoluto. Se se trata de definir um dogma ou de estabelecer uma verdade teológica com suficiente segurança é necessário que haja convergência e não conflito entre eles.

A doutrina, para ser considerada de Fé, deve estar antes de tudo contida na Sagrada Escritura e/ou na Tradição, “lugares” que compõem o depósito constitutivo da Revelação. Essa doutrina também deve ser crida por toda a Igreja, que é o órgão divinamente instituído da Tradição e, dentro da Igreja, deve ser reconhecida e ensinada pelos Concílios, e, especialmente, pela Santa Sé Apostólica Romana.

A doutrina de Fé, para ser considerada como tal, deve também ser apoiada pelos testemunhos dos Santos Padres e dos teólogos escolásticos e não deve ser contraditada por lugares teológicos “impróprios”, mas reais, que são a razão natural, que tem sua expressão máxima na filosofia e no direito, e a história, que fornece temas certos ou prováveis aos teólogos especulativos.

Nesse quadro articulado, três pontos merecem ser destacados e desenvolvidos:

1) O papel da Tradição, que ocupa, como veremos, uma primazia sobre todos os lugares teológicos, inclusive a Sagrada Escritura.

2) O conceito de Igreja como um todo, que compreende a Suprema autoridade docente, a qual se exprime no ensinamento do Papa e dos Concílios, mas que não coincide inteiramente com ela.

3) A ausência, entre lugares teológicos, do “Magistério”, compreendido nos “lugares” 4 e 5 (Concílios e Papas). O que não significa que ele não exista e não tenha sua importância, mas deve ser entendido no sentido que lhe é próprio, de “poder”, ou de “função” da autoridade suprema da Igreja.

A afirmação segundo a qual o Magistério da Igreja constitui “regula fidei”, e, por conseguinte, um “lugar teológico”, não é em si mesmo errônea, se ele for entendido como o poder exercido pela Igreja docente, em continuidade com a Tradição, de que a própria Igreja é a guardiã. Mas os que repetem que o Magistério é a suprema “regula fidei”, porque “interpreta” a Tradição, evitam enfrentar o problema colocado pela existência de eventuais conflitos, reais ou aparentes, entre a Tradição e a pregação eclesiástica “atual”, ou o Magistério “vivo”. Trata-se, evidentemente, de casos excepcionais na história da Igreja, mas o que queremos examinar é exatamente isso, o “caso de exceção”, o que verifica quando nos encontramos frente a uma possível incompatibilidade e, portanto, à difícil escolha entre Magistério e Tradição. E é aqui que o sistema teológico de Melchor Cano nos socorre, ajudando-nos a enfrentar a questão de maneira rigorosa.

Categorias
Apologética Ética e moral Ciência Teologia

Gêmeos univitelinos e a infusão da alma

Pergunta recebida de um leitor:

Os gêmeos univitelinos se desenvolvem a partir de um único óvulo fecundado e, como se afirma que a alma é infundida no momento da fecundação, o que se dá no caso deles?

Instantaneamente após a fertilização, o óvulo fecundado possui a matéria necessária para formar um novo ser humano. Portanto, possui forma humana (leia-se alma).

Mesmo contendo células indiferenciadas, o zigoto já possui a matéria necessária para dali nascer um novo homem. Se em algum momento aquele zigoto se dividir, dando origem a um novo tecido e no caso desse tecido possuir, do mesmo modo, matéria própria para a geração de um novo homem, então lhe será infundida uma nova alma, criada por Deus naquele instante.

Categorias
Ética e moral Teologia

Alegrar-se ou entristecer-se com a morte de Lázaro, o serial killer?

Reflexão de Carlos Nougué feita no Facebook:

Uns dizem que devemos alegrar-nos com sua morte porque assim se protege a sociedade. Outros dizem que não devemos alegrar-nos com ela porque, como se lê em Ezequiel, Deus não se alegra com a morte do pecador. No entanto, o correto quanto a este assunto reside, uma vez mais, no justo meio; e este quase sempre requer explicação algo longa. Se pois você quer de fato saber como nos devemos sentir diante da morte de Lázaro, dê-se por favor ao trabalho de ler o que escrevo abaixo.

1) Antes de tudo, Deus de fato não se alegra nem entristece com nada, porque não é sujeito de paixões, como o somos nós. Quando se lê nas Escrituras que Deus se ira, ou se alegra, ou se arrepende de algo, trata-se sem dúvida de metáfora, assim como as mesmas Escrituras falam metaforicamente do braço de Deus para indicar sua virtude operativa.

2) No caso da passagem de Ezequiel, trata-se antes da morte espiritual – ou seja, a segunda morte do Apocalipse, ou seja, a condenação eterna ao lago de fogo e de enxofre – que da morte física do pecador, ou de sua morte física pela qual morre em pecado mortal.