O Inferno está vazio?

Segundo o famoso teólogo e cardeal eleito Hans Urs von Balthasar, todo bom cristão deveria esperar que o Inferno estivesse vazio. Esta sugestão, porém, levou alguns teólogos afoitos a dizerem, categoricamente, que ele realmente está vazio.

Nesta semana em que celebramos o centenário da visão do Inferno, mostrado aos três pastorinhos por Nossa Senhora em Fátima, Padre Paulo Ricardo nos convida a uma meditação sobre a eternidade. Afinal, o Inferno está vazio?

Maria depois de Pentecostes

Desde a sua Imaculada Concepção, os dons do Espírito Santo foram derramados abundantemente em Nossa Senhora. Mesmo assim, aquela que já era “cheia de graça” torna-se Mãe de Deus pelo “poder do Espírito Santo”. Somos então tentados a dizer que a Virgem Santíssima já teria esgotado todas as possibilidades de uma criatura receber o Espírito Santo. Mas a generosidade de Deus não tem medidas!

Nesta aula, Padre Paulo Ricardo aproveita o Ano Mariano que estamos vivendo para meditar sobre a Virgem Santíssima no mistério de Pentecostes.

Panorama das ciências teológicas

A teologia cristã é o estudo científico do cristianismo. O cristianismo é vida de união com Deus por meio de Jesus Cristo. Que significa religião, senão união do homem com Deus? E a característica da religião cristã não está toda no fato de realizar-se esta união por meio de Jesus Cristo? Ele é o “mediador”, o vínculo, a ponte entre a humanidade e Deus; e o é por sua íntima constituição, enquanto nele o homem e Deus estão unidos numa só pessoa. Por isso podemos dizer que o cristianismo está reunido e concentrado em Cristo.

Ora, o cristianismo pode ser considerado como história, como doutrina, como praxe. Se a teologia deve-o estudar cientificamente, de modo profundo, deverá caminhar em três direções: deverá estuda-lo primeiro historicamente, depois, doutrinamente, por fim, praticamente. Isto é, deverá desenvolvê-lo na sua ordem genética, na sua ordem constitutiva, na sua ordem prática.

O estudo genético ou histórico do cristianismo, começando de Abraão e chegando até nossos dias, com Cristo no centro, dá origem a duas seções do estudo teológico: a Sagrada Escritura e a História da Igreja; o estudo da doutrina, com que se procura expor e aprofundar os elementos doutrinais do cristianismo, dá origem à Dogmática e à Moral; o estudo prático, ao qual compete ensinar aos homens qual a ordem que devem seguir para viverem em união com Deus, dá origem à Pastoral, ao Direito Canônico, à Missionologia.

Nasce assim a árvore das ciências teológicas. Note-se que uma árvore é um organismo que vive de uma vida única, mesmo tendo partes bem definidas, como as raízes, o tronco, os ramos e os frutos. Na árvore da teologia, as raízes seriam a Sagrada Escritura e a História da Igreja; o tronco, a Dogmática e a Moral; os ramos com os frutos, a Pastoral, o Direito, a Missionologia.

Vamos, porém, a uma breve explicação, tendo sempre fixa nossa atenção na definição do cristianismo; Ele visa a união do homem a Deus por meio de Cristo.

Temos, antes do mais, a teologia histórica. Ela deve expor e explicar o cristianismo no seu aspecto histórico, na sua atuação: como era atuada a união do homem com Deus antes de Jesus Cristo, naquele pacto que hoje chamamos de Antigo [Testamento]; como foi atuada por Jesus Cristo que pregou, ofereceu sua vida e ressuscitou para estabelecer um pacto mais íntimo, mas profundo e definitivo, a que chamamos de Novo [Testamento]; como é atuada depois que Jesus Cristo mandou o Espírito Santo para que a humanidade, renovada, tivesse a possibilidade de viver unida a Deus, como Jesus viveu, na expectativa da união plena que será instaurada quando Ele voltar para concluir o drama da história.

O estudo da Sagrada Escritura, seguido pela História da Igreja, tem como único objetivo as vicissitudes da união do homem com Deus, isto é, da religião cristã. É evidente que o primeiro momento, o preparatório, está todo orientado para Cristo e sua obra de redenção, que formam o segundo momento, o central; é também evidente que o terceiro momento é uma continuação, um desenvolvimento do segundo. Poder-se-ia outrossim, falar de três épocas: a do Pai, a do Filho e a do Espírito Santo.

Jesus Cristo, o “religioso” no sentido definitivo – ponto ao qual tende a religião antes dele, e de onde parte depois dele – torna-se o único grande tema da Escritura e da História da Igreja. Estudar o aspecto histórico do cristianismo significa, portanto, construir uma vasta cristologia histórica. O estudo da Sagrada Escritura terá vários momentos (Introdução crítica, Exegese, Teologia bíblica), será ajudado pela filologia, pela geografia, pela arqueologia, mas seu tema central, que tudo ilumina e vivifica, é a realização da Redenção, é a história da salvação em Cristo e da união da humanidade com Deus por meio de Jesus Cristo. “Quando os padres – escreve De Lubac – inclinavam-se sobre aquelas página inspiradas, onde seguiam, nas sua fases sucessivas, a aliança de Deus com o gênero humano, tinham muito menos impressão de comentar um texto ou decifrar enigmas verbais, do que interpretar uma história. Ora, o que encontravam por toda parte nessa história era… o mistério de Cristo”.

O mesmo se deve dizer da história eclesiástica: poderá ser dividida em várias partes, como a história dos dogmas e da teologia, história dos padres (Patrologia), história dos Santos (hagiografia), história da antiguidade cristã (arqueologia), história dos concílios, história da espiritualidade, etc., mas a idéia diretiva e unificadora e sempre a mesma: é a história da humanidade remida que vive a nova vida em Cristo.

Temos depois a Teologia Doutrinal que prescinde a história como tal, e estuda a ordem constitutiva, isto é, a constituição íntima do cristianismo. Se o cristianismo é a união do home com Deus por meio de Cristo, indagamos: Quem é Deus? Qual sua vida íntima? Para que a Criação? Se ele vem ao nosso encontro, por meio de Jesus Cristo, perguntamos: “Cur Deus Homo?”. Se Cristo nos chama a nos unirmos a Ele, para ele nos tornamos filhos de Deus, interrogamos: Qual a realidade misteriosa que nos muda de criatura e filhos de Deus, dando-nos possibilidade de vivermos enquanto tal? Não somente eu, mas todos os homens são chamados a se unirem com Cristo em Deus: os que atendem o chamado, formam um grupo, uma Igreja, que não só vive em torno dele, mas vive nele, e que O espera na completa transfiguração do universo, a fim de que tudo e todos sejamos unidos a Deus e Deus esteja sempre unido ao homem por meio de Cristo.

Deus vivo em três pessoas, a criação, a Encarnação redentora, a graça e a vida cristã de fé, de esperança e de caridade, a Igreja, a vida eterna, eis os pontos básicos que a teologia doutrinal propõe-se expor, aprofundar e sistematizar. Por simples necessidade pedagógica, agrupa-os em duas séries: verdades dogmáticas, chamadas “dogmata diei”, e verdades morais, chamadas “dogmata morum”. A primeira parte da teologia doutrinal estuda os dogmas cristãos; a segunda, os costumes cristãos, isto é, o modo segundo qual os cristãos devem comportar-se, quer com Deus, quer com o próximo, em todas as circunstâncias da vida terrena: familiar, social, econômica etc. A teologia espiritual, ascética e mística, é apenas um particular da Moral, pois estuda o comportamento do cristão que se esforça por viver sempre mais intimamente unido a Deus.

Sem descer a outros pormenores é importante observarmos que a teologia doutrinal estuda somente as várias verdades, as quais condicionam os diversos momentos que constituem a nossa união com Deus. É, pois, estudo religioso no sentido mais estrito da palavra. E sendo que Jesus Cristo é causa e exemplar da união do homem com Deus, é também o ponto de conjunção – se não a raiz – de todo o sistema das verdades cristãs. Portanto, também a teologia doutrinal pode ser considerada como uma vasta cristologia.

Por fim, a teologia prática. A ela incumbe o estudo da ordem prática do cristianismo, ou seja, da “rectaratio”, do reto uso dos meios para unirmos o homem a Deus, por meio de Jesus Cristo. Quiséssemos seguir a lógica, deveríamos dizer que esses meios são três: pregar; o magisterium, celebrar a ação sagrada; o ministerium; guiar os homens remidos, o regimem. Teríamos assim o estudo da catequese em todos os seus aspectos, o da Liturgia no sentido mais amplo da palavra, os das leis segundo as quais dirigir a comunidade cristã, o Direito canônico com suas derivações.

Se seguirmos, porém, a ordem menos lógica, mas histórico-prática, segundo a qual este terceiro aspecto da teologia foi cientificamente organizado e cultivado, teremos o Direito canônico, cujo estudo científico começou na Idade Média; a Pastoral, que remonta ao século XVIII, a Missiologia, que pertence ao nosso século. Para maiores esclarecimentos e para as várias ramificações da teologia prática, pode-se recorrer a livros de introdução às ciências teológicas, como os de Krieg e Rabeau. Por enquanto, basta notarmos que a teologia prática não se propõe senão a edificar o Corpo Místico de Cristo, fazer Cristo viver no mundo e o mundo em Cristo. Aqui também estamos de algum modo na cristologia.

Resumindo, a teologia é o estudo aprofundado do cristianismo, união do homem com Deus, em Jesus Cristo, no seu tríplice aspecto de História, Doutrina e Praxe. Temos, assim:

  • A teologia histórica, que estuda o desenvolvimento ou os acontecimentos do cristianismo com a Sagrada Escritura e a História da Igreja;
  • A teologia doutrinal, que estuda a doutrina do cristianismo: as verdades, na Dogmática, e o procedimento cristão nas várias situações da vida, na Moral;
  • A teologia prática, que estuda a praxe do cristianismo: a técnica para inserí-lo nas almas, mediante a pastoral; as leis que regem a vida da comunidade cristã, mediante o Direito Canônico; a arte de dilatar a Igreja nas terras dos infiéis, com a Missionologia.

No coração de toda a teologia cristã está Jesus Cristo, único, eterno e insubstituível vínculo da união do homem com Deus.

Por Bernardo Bartmann

Hesicasmo

Em dezembro de 2011 a consócia Maria de Lysle, da antiga comunidade Apologética Católica do Orkut, traduziu o verbete da Enciclopédia Católica sobre o hesicasmo, um assunto que vez ou outra causa tensão em certos círculos católicos, em especial após os contatos com os cismáticos orientais terem se tornado mais constantes. Eu guardei esse texto e agora o publico (é bom ressaltar, contudo, que alguns “ortodoxos” contestam o que ele diz sobre os exercícios respiratórios):

A história do sistema místico defendido pelos monges de Athos, no século XIV, representa um dos mais curiosos capítulos da história da Igreja Bizantina. Em si mesmo uma especulação obscura, resultou na mais áspera extravagância mística, tornou-se o lema de um partido político, e, incidentalmente, implicou novamente na eterna controvérsia com Roma. Ele é o único grande movimento místico da Igreja Ortodoxa. Ehrhard o descreve corretamente como uma “reação nacional da teologia grega contra a invasão da escolástica ocidental” (Krumbacher, Byzat Litt, p. 43). A melhor forma de descrever o movimento é primeiro explicar o ponto em questão e depois a sua história.

O sistema hesicasta

Hesicastas (hesychastes – quietistas) designam pessoas, quase todas monges, que defendiam a teoria de que é possível, através de um sistema ascético, desprender-se das preocupações do mundo, sob a direção de um mestre adequado, oração, e especialmente do completo relaxamento do corpo e da vontade, contemplar a luz mística, que não é outra coisa senão a luz incriada de Deus. A contemplação desta luz é o mais alto objetivo do homem na terra; e desse modo um homem torna-se  unido a Deus da forma mais íntima possível. A luz vista pelos hesicastas é a mesma que se manifestou na Transfiguração de Cristo. Não é um mero fenômeno criado mas a eterna luz de Deus mesmo. Não é a divina essência; nenhum homem pode ver Deus face a face neste mundo (João 1,18) mas sim a divina ação ou operação. Pois em Deus a ação (energeia, actus, operatio) é realmente distinta da essência (ousia). Havia um processo adequado para ver a luz incriada, o corpo deveria permanecer imóvel por um longo tempo, o queixo pressionado contra o peito, a respiração presa, os olhos voltados para dentro, e assim por diante. Então, no tempo próprio, o monge começava a ver a luz maravilhosa. A semelhança deste processo de auto sugestão com o dos faquires, sanyasis e outros povos do Oriente é óbvia. Continuar lendo

Missas gregorianas

Recebi a seguinte pergunta:

“Recentemente notei que estão chamando o rito tridentino de rito gregoriano. As chamadas missas gregorianas têm alguma relação com isso?”

Não, não é a mesma coisa.

De fato, dada as costumeiras denominações imprecisas (“rito tridentino”, “Missa de sempre”) ou a insatisfatória nomenclatura do Motu Proprio (“forma extraordinária”), o rito romano tradicional passou, de uns anos para cá, a ser amplamente chamado de rito gregoriano, tendo em vista que foi no pontificado do Papa Gregório Magno que suas partes essenciais ganharam a forma definitiva.

Isso não tem nenhuma relação com o que significa a expressão Missas Gregorianas. Continuar lendo

O Primado do Supremo Pontífice

Pela Fé Católica

stpeterenthroned

Publicamos este texto sobre o Primado universal do Papa, primeiramente, por ocasião da Festa de São Pedro [e São Paulo], dia do Papa e de seu Primado sobre a Igreja; em segundo, em atenção ao 962º aniversário da “excomunhão” [1] do herege e cismático Miguel Cerulário pelo Papa São Leão IX, que ocorrerá no dia 16 de julho.

O Primado Petrino é a doutrina da Igreja Católica a qual ensina que São Pedro é o Apóstolo mais excelso de Cristo e que essa superioridade é passada também aos seus sucessores, os Papas de Roma. Essa supremacia não é apenas de honra, mas jurídica e magisterial.

Como adversários dessa doutrina, temos os cismáticos autointitulados ortodoxos e os protestantes. Esses negam qualquer primazia a São Pedro (para alguns que a reconhecem, negam que tal honra pudesse ser passada aos sucessores, o que é o mesmo que negar a apostolicidade da Igreja); aqueles…

Ver o post original 8.563 mais palavras

Filioque

Pela Fé Católica

santc3adssima-trindade-4Filioque é uma expressão latina que significa “e do Filho” e representa a doutrina que afirma a procedência do Espírito Santo do Pai «e do Filho». Assim, o Pai é o Princípio da Santíssima Trindade e dEle procede, por geração, o Filho. Do enlace entre o Pai e o Filho procede, por espiração, o Espírito Santo. O Pai e o Filho são o único princípio do Espírito Santo que de Ambos procede.

Essa doutrina é combatida veementemente pelos ortodoxos. Eles, no auge da desonestidade, atribuem como maior motivo do cisma a incorporação desta doutrina “como uma novidade”. Entretanto, a definição do Filioque como dogma de Fé já ocorrera em 447 por São Leão Magno (Ep.Quam laudabiliter, Denz-H. 284) e o grande cisma do oriente se deu formalmente apenas em 1054. Tal fato se deveu a questões políticas e à soberba do Patriarca de Constantinopla, Miguel…

Ver o post original 4.378 mais palavras