O Método dos Lugares Teológicos

Transcrevo aqui um trecho do livro Apologia da Tradição de Roberto de Mattei, onde ele explica o devido lugar das fontes da teologia com base num estudo do teólogo dominicano Melchor Cano.

Um caminho seguro para orientar-se na Fé nos é oferecido no método proposto pelo teólogo dominicano Melchor Cano em sua célebre obra De locis theologicis (1562), que contribuiu para reconstruir a teologia da Igreja após as devastações feitas pelo protestantismo.

Os lugares teológicos são o sistema completo de fontes de autoridade a partir do qual e ao qual se deve referir quando se raciocina em matéria de Fé. De acordo com o padre Melchor Cano, os “lugares próprios da teologia” ou os “domicílios de todos os argumentos teológicos a partir dos quais os teólogos podem obter toda a argumentação para provar ou refutar”, são dez, que assim se enumera:

1) O primeiro lugar é a autoridade da Sagrada Escritura que contem os livros canônicos.

2) O segundo é a autoridade das Tradições de Cristo e dos apóstolos, as quais, ainda que tenham sido escritas, chegaram até nós de ouvido a ouvido, para que toda a verdade possam ser chamadas como os oráculos de viva voz.

3) O terceiro é a autoridade da Igreja Católica

4) O quarto é a autoridade dos Concílios, especialmente os Concílios Gerais, nos quais reside a autoridade da Igreja Católica.

5) O quinto é a autoridade da Igreja Romana que, por privilégio divino, é e se chama Sé Apostólica.

6) O sexto é a autoridade dos Santos Padres.

7) O sétimo é a autoridade dos teólogos escolásticos, aos quais podemos acrescentar canonistas (especialistas em direito pontifício), tanto que a doutrina deste direito é considerada quase como outra parte da teologia escolástica.

8) O oitavo é a Razão Natural, muito conhecida em todas as ciências que são estudadas através da luz natural.

9) O nono é a autoridade dos filósofos que seguem a natureza como guia. Entre estes estão, sem dúvida, os Juristas (juristas de autoridade civil), que também professam a verdadeira filosofia(como diz Jurisconsulto)

10) O décimo e último é a autoridade da história humana, tanto a escrita por autores dignos de crédito como transmitida de geração em geração, não supersticiosamente ou como contos de senhoras idosas, mas de um modo sério e consistente.

Nenhum desses lugares teológicos é absoluto. Se se trata de definir um dogma ou de estabelecer uma verdade teológica com suficiente segurança é necessário que haja convergência e não conflito entre eles.

A doutrina, para ser considerada de Fé, deve estar antes de tudo contida na Sagrada Escritura e/ou na Tradição, “lugares” que compõem o depósito constitutivo da Revelação. Essa doutrina também deve ser crida por toda a Igreja, que é o órgão divinamente instituído da Tradição e, dentro da Igreja, deve ser reconhecida e ensinada pelos Concílios, e, especialmente, pela Santa Sé Apostólica Romana.

A doutrina de Fé, para ser considerada como tal, deve também ser apoiada pelos testemunhos dos Santos Padres e dos teólogos escolásticos e não deve ser contraditada por lugares teológicos “impróprios”, mas reais, que são a razão natural, que tem sua expressão máxima na filosofia e no direito, e a história, que fornece temas certos ou prováveis aos teólogos especulativos.

Nesse quadro articulado, três pontos merecem ser destacados e desenvolvidos:

1) O papel da Tradição, que ocupa, como veremos, uma primazia sobre todos os lugares teológicos, inclusive a Sagrada Escritura.

2) O conceito de Igreja como um todo, que compreende a Suprema autoridade docente, a qual se exprime no ensinamento do Papa e dos Concílios, mas que não coincide inteiramente com ela.

3) A ausência, entre lugares teológicos, do “Magistério”, compreendido nos “lugares” 4 e 5 (Concílios e Papas). O que não significa que ele não exista e não tenha sua importância, mas deve ser entendido no sentido que lhe é próprio, de “poder”, ou de “função” da autoridade suprema da Igreja.

A afirmação segundo a qual o Magistério da Igreja constitui “regula fidei”, e, por conseguinte, um “lugar teológico”, não é em si mesmo errônea, se ele for entendido como o poder exercido pela Igreja docente, em continuidade com a Tradição, de que a própria Igreja é a guardiã. Mas os que repetem que o Magistério é a suprema “regula fidei”, porque “interpreta” a Tradição, evitam enfrentar o problema colocado pela existência de eventuais conflitos, reais ou aparentes, entre a Tradição e a pregação eclesiástica “atual”, ou o Magistério “vivo”. Trata-se, evidentemente, de casos excepcionais na história da Igreja, mas o que queremos examinar é exatamente isso, o “caso de exceção”, o que verifica quando nos encontramos frente a uma possível incompatibilidade e, portanto, à difícil escolha entre Magistério e Tradição. E é aqui que o sistema teológico de Melchor Cano nos socorre, ajudando-nos a enfrentar a questão de maneira rigorosa.

Gêmeos univitelinos e a infusão da alma

Pergunta recebida de um leitor:

Os gêmeos univitelinos se desenvolvem a partir de um único óvulo fecundado e, como se afirma que a alma é infundida no momento da fecundação, o que se dá no caso deles?

Instantaneamente após a fertilização, o óvulo fecundado possui a matéria necessária para formar um novo ser humano. Portanto, possui forma humana (leia-se alma).

Mesmo contendo células indiferenciadas, o zigoto já possui a matéria necessária para dali nascer um novo homem. Se em algum momento aquele zigoto se dividir, dando origem a um novo tecido e no caso desse tecido possuir, do mesmo modo, matéria própria para a geração de um novo homem, então lhe será infundida uma nova alma, criada por Deus naquele instante. Continuar lendo

Alegrar-se ou entristecer-se com a morte de Lázaro, o serial killer?

Reflexão de Carlos Nougué feita no Facebook:

Uns dizem que devemos alegrar-nos com sua morte porque assim se protege a sociedade. Outros dizem que não devemos alegrar-nos com ela porque, como se lê em Ezequiel, Deus não se alegra com a morte do pecador. No entanto, o correto quanto a este assunto reside, uma vez mais, no justo meio; e este quase sempre requer explicação algo longa. Se pois você quer de fato saber como nos devemos sentir diante da morte de Lázaro, dê-se por favor ao trabalho de ler o que escrevo abaixo.

1) Antes de tudo, Deus de fato não se alegra nem entristece com nada, porque não é sujeito de paixões, como o somos nós. Quando se lê nas Escrituras que Deus se ira, ou se alegra, ou se arrepende de algo, trata-se sem dúvida de metáfora, assim como as mesmas Escrituras falam metaforicamente do braço de Deus para indicar sua virtude operativa.

2) No caso da passagem de Ezequiel, trata-se antes da morte espiritual – ou seja, a segunda morte do Apocalipse, ou seja, a condenação eterna ao lago de fogo e de enxofre – que da morte física do pecador, ou de sua morte física pela qual morre em pecado mortal. Continuar lendo

Sistemas católicos sobre predestinação, graça e livre arbítrio

Os principais sistemas católicos sobre a predestinação, providência, graça e livre arbítrio:

1) Molinismo – Sustenta que Deus possui a “ciência média”, ciência dos futuríveis livres ou futuros livremente condicionados, os quais não estariam sob a determinação de Deus, mas das causas segundas que atuam livremente. A “ciência média” foi concebida por Pedro da Fonseca, filósofo português, e por Luís de Molina, jesuíta espanhol. Assim, Deus atuaria simultaneamente ao homem, com seu concurso, possibitando ao homem determinar a si próprio sem que a isso fosse conduzido previamente pela Causa primária. Sobre a predestinação, o molinismo entende que ela é posterior aos méritos previstos. Outros teólogos fizeram adições a esse sistema, chegando a modificá-lo em alguns pontos, o que resultou no congruísmo. Continuar lendo

O que significa dizer que Deus é um ser pessoal

quoteAo pensarmos em Deus, por mais que isso facilite falar d’Ele, é necessário afastar a linguagem antropomórfica. Deus não é homem: não pensa, nem age como homem. A visão tomista de Deus pode, assim, lembrar a algumas pessoas um ser impessoal, posto que Deus é imutável, impassível, um Deus que não interage com o mundo, nem escuta nossas orações (embora conheça maximamente nossas orações, e lhes determine a causa e o efeito, contudo quando dizemos que Deus escuta nossas orações, estamos usando uma linguagem “antropomórfica”). Podemos, no entanto, provar que Deus é pessoal, ou melhor, que ele não é menos do que um ser pessoal, ou que transcende o pessoal. Se Deus fosse menos do que um ser pessoal, não poderia ser a Causa da existência de seres pessoais, pois seus efeitos seriam, em ação e dignidade, superiores a Ele. Isso não significa, contudo, que Deus seja pessoa e racional na mesma medida em que o homem é pessoa e ser racional. Significa que Ele não é menos do que isso. A inteligência e a vontade de Deus são infinitas, e, comparados com Ele, nada somos. Dessa maneira, dizer que Deus é um Ser pessoal significa que tal noção a Ele se aplica por analogia, não univocamente. A perfeição que consiste num ser pessoal Ele a possui de modo eminente.

– Rui Ribeiro Machado

Entre a justiça divina e a igreja da vacina

Relacionado ao tema de fundo do vídeo, cuja publicação não é um abono a qualquer outra tese defendida por seu autor, temos esse interessantíssimo texto escrito por Alberto Zucchi da “pós-Montfort”, que adentra nas consequências sociais e políticas da mentalidade que hoje se faz presente no meio dos católicos:

O que pensar de 2020? A sociedade do prazer.

A realeza de Cristo

Reflexão do Prof. Nougué sobre o reinado social de Jesus Cristo (como todos sabem, não gosto do estilo do autor, aliás, de nenhum tomista, mas o conteúdo tem joias preciosas):

Para acompanhar esse vídeo, sugiro a leitura e consulta do Catecismo da Realeza de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Sobre a origem da festa litúrgica que comemora essa verdade e, em especial, a distorção dela que tentaram fazer na deforma litúrgica de Paulo VI, indico a leitura deste texto e a deste outro.