O sinal importante é um só

Os verdadeiros sinais precursores são, pois, a vida criminosa dos homens; e não, como outrora uns fanáticos calculavam: tal ano, tal época determinada matematicamente, como os livros protestantes anunciam, e como o orgulho humano pretende descobrir nos sinais do Céu.

Sempre houve terremotos, diversas vezes houve escurecimento do sol e da lua, chuvas de estrelas e outros fenômenos preditos, que devem manifestar-se no fim dos tempos.

Estes sinais acompanharão o cataclismo final, é certo, porém sempre houve tais fenômenos, provenientes de causas naturais e explicáveis pela ciência, de modo que não são sinais exclusivos, determinativos.

O mal não está no firmamento, está no homem. Continuar lendo

Ser querido não é critério para a santidade

Ontem, os jornais de minha cidade noticiaram a Missa celebrada para marcar os 20 anos da morte de D. Helder e num deles (Jornal do Commercio) uma fala do arcebispo D. Fernado Saburino chamou minha atenção:

É um tempo significativo, 20 anos desde que D. Helder partiu para a casa do Pai e continua marcando muito a vida dessa Igreja. As pessoas não esquecem porque ele foi, de fato, um profeta entre nós, alguém muito voltado às questões sociais, com muita sensibilidade com os pobres e luta pelos direitos humanos. Tudo isso faz com que ele seja tão querido. Agora, estamos lutando para conseguir o reconhecimento oficial de Roma. O processo de canonização está indo para frente, peço a Deus que possamos ter essa graça o quanto antes.

Sem querer entrar na questão da santidade ou não de D. Helder e sem trazer nenhum demérito ao arcebispo, prelado sobre o qual não tenho nada a reclamar, muito pelo contrário, o que me fez arregalar os olhos foi a conexão estabelecida entre valorização no campo natural, humano-social, e canonização. Não há nenhuma devoção espalhada entre os católicos recifenses por seu antigo pontífice. Agora é que a arquidiocese preparou uma oração que é distribuída entre o povo e que nunca vi ninguém rezar; certamente existem pessoas devotas a ele, em especial os que conviveram com D. Helder durante os anos 60, 70 e 80, mas são um grupo quantitativamente minoritário e com “fé sócio-política”. E é isso que temos visto nos últimos tempos na fábrica de canonizações do Vaticano, daí a ridícula sequência de papas pós-concilares santos; ou seja, as canonizações agora também servem para se estabelecer pontos numa agenda de política eclesial, não para nos apresentar exemplos de virtudes, exemplos de atualização do Evangelho em cada época e lugar diferente, exemplos de encarnação da doutrina católica, e, portanto, não são mais infalíveis.

O que a canonização de Paulo VI representa para a liturgia e para a pseudo-reforma litúrgica?

Essa é uma tradução de texto publicado no New Liturgical Movement e que se refere apenas ao significado da canonização do Papa Paulo VI para a liturgia e não se ela é apropriada ou oportuna (quem quiser comentar deve atentar para isso ou não terá seus comentários aceitos).

A resposta rápida é: absolutamente nada. Continuar lendo

O Inferno está vazio?

Segundo o famoso teólogo e cardeal eleito Hans Urs von Balthasar, todo bom cristão deveria esperar que o Inferno estivesse vazio. Esta sugestão, porém, levou alguns teólogos afoitos a dizerem, categoricamente, que ele realmente está vazio.

Nesta semana em que celebramos o centenário da visão do Inferno, mostrado aos três pastorinhos por Nossa Senhora em Fátima, Padre Paulo Ricardo nos convida a uma meditação sobre a eternidade. Afinal, o Inferno está vazio?