Sistemas católicos sobre predestinação, graça e livre arbítrio

Os principais sistemas católicos sobre a predestinação, providência, graça e livre arbítrio:

1) Molinismo – Sustenta que Deus possui a “ciência média”, ciência dos futuríveis livres ou futuros livremente condicionados, os quais não estariam sob a determinação de Deus, mas das causas segundas que atuam livremente. A “ciência média” foi concebida por Pedro da Fonseca, filósofo português, e por Luís de Molina, jesuíta espanhol. Assim, Deus atuaria simultaneamente ao homem, com seu concurso, possibitando ao homem determinar a si próprio sem que a isso fosse conduzido previamente pela Causa primária. Sobre a predestinação, o molinismo entende que ela é posterior aos méritos previstos. Outros teólogos fizeram adições a esse sistema, chegando a modificá-lo em alguns pontos, o que resultou no congruísmo. Continuar lendo

O que significa dizer que Deus é um ser pessoal

quoteAo pensarmos em Deus, por mais que isso facilite falar d’Ele, é necessário afastar a linguagem antropomórfica. Deus não é homem: não pensa, nem age como homem. A visão tomista de Deus pode, assim, lembrar a algumas pessoas um ser impessoal, posto que Deus é imutável, impassível, um Deus que não interage com o mundo, nem escuta nossas orações (embora conheça maximamente nossas orações, e lhes determine a causa e o efeito, contudo quando dizemos que Deus escuta nossas orações, estamos usando uma linguagem “antropomórfica”). Podemos, no entanto, provar que Deus é pessoal, ou melhor, que ele não é menos do que um ser pessoal, ou que transcende o pessoal. Se Deus fosse menos do que um ser pessoal, não poderia ser a Causa da existência de seres pessoais, pois seus efeitos seriam, em ação e dignidade, superiores a Ele. Isso não significa, contudo, que Deus seja pessoa e racional na mesma medida em que o homem é pessoa e ser racional. Significa que Ele não é menos do que isso. A inteligência e a vontade de Deus são infinitas, e, comparados com Ele, nada somos. Dessa maneira, dizer que Deus é um Ser pessoal significa que tal noção a Ele se aplica por analogia, não univocamente. A perfeição que consiste num ser pessoal Ele a possui de modo eminente.

– Rui Ribeiro Machado

Entre a justiça divina e a igreja da vacina

Relacionado ao tema de fundo do vídeo, cuja publicação não é um abono a qualquer outra tese defendida por seu autor, temos esse interessantíssimo texto escrito por Alberto Zucchi da “pós-Montfort”, que adentra nas consequências sociais e políticas da mentalidade que hoje se faz presente no meio dos católicos:

O que pensar de 2020? A sociedade do prazer.

A realeza de Cristo

Reflexão do Prof. Nougué sobre o reinado social de Jesus Cristo (como todos sabem, não gosto do estilo do autor, aliás, de nenhum tomista, mas o conteúdo tem joias preciosas):

Para acompanhar esse vídeo, sugiro a leitura e consulta do Catecismo da Realeza de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Sobre a origem da festa litúrgica que comemora essa verdade e, em especial, a distorção dela que tentaram fazer na deforma litúrgica de Paulo VI, indico a leitura deste texto e a deste outro.

O sinal importante é um só

Os verdadeiros sinais precursores são, pois, a vida criminosa dos homens; e não, como outrora uns fanáticos calculavam: tal ano, tal época determinada matematicamente, como os livros protestantes anunciam, e como o orgulho humano pretende descobrir nos sinais do Céu.

Sempre houve terremotos, diversas vezes houve escurecimento do sol e da lua, chuvas de estrelas e outros fenômenos preditos, que devem manifestar-se no fim dos tempos.

Estes sinais acompanharão o cataclismo final, é certo, porém sempre houve tais fenômenos, provenientes de causas naturais e explicáveis pela ciência, de modo que não são sinais exclusivos, determinativos.

O mal não está no firmamento, está no homem. Continuar lendo

Ser querido não é critério para a santidade

Ontem, os jornais de minha cidade noticiaram a Missa celebrada para marcar os 20 anos da morte de D. Helder e num deles (Jornal do Commercio) uma fala do arcebispo D. Fernado Saburino chamou minha atenção:

É um tempo significativo, 20 anos desde que D. Helder partiu para a casa do Pai e continua marcando muito a vida dessa Igreja. As pessoas não esquecem porque ele foi, de fato, um profeta entre nós, alguém muito voltado às questões sociais, com muita sensibilidade com os pobres e luta pelos direitos humanos. Tudo isso faz com que ele seja tão querido. Agora, estamos lutando para conseguir o reconhecimento oficial de Roma. O processo de canonização está indo para frente, peço a Deus que possamos ter essa graça o quanto antes.

Sem querer entrar na questão da santidade ou não de D. Helder e sem trazer nenhum demérito ao arcebispo, prelado sobre o qual não tenho nada a reclamar, muito pelo contrário, o que me fez arregalar os olhos foi a conexão estabelecida entre valorização no campo natural, humano-social, e canonização. Não há nenhuma devoção espalhada entre os católicos recifenses por seu antigo pontífice. Agora é que a arquidiocese preparou uma oração que é distribuída entre o povo e que nunca vi ninguém rezar; certamente existem pessoas devotas a ele, em especial os que conviveram com D. Helder durante os anos 60, 70 e 80, mas são um grupo quantitativamente minoritário e com “fé sócio-política”. E é isso que temos visto nos últimos tempos na fábrica de canonizações do Vaticano, daí a ridícula sequência de papas pós-concilares santos; ou seja, as canonizações agora também servem para se estabelecer pontos numa agenda de política eclesial, não para nos apresentar exemplos de virtudes, exemplos de atualização do Evangelho em cada época e lugar diferente, exemplos de encarnação da doutrina católica, e, portanto, não são mais infalíveis.