O calendário litúrgico mais completo para o rito tradicional agora está online

A FSSPX dos EUA lançou um serviço para toda a Igreja e, especialmente, para a resistência aos desmandos pós-conciliares: um calendário online, de facílima utilização, especialmente nos dispositivos móveis, do rito romano tradicional. Esse calendário segue as rubricas de 1962 e apresenta todas as informações para a celebração das missas e para a recitação do Ofício (as particularidades para os EUA e para a FSSPX também são colocadas). Existem ainda, no rodapé, informações sobre o tempo litúrgico e as rubricas. Ele será de grande ajuda para os sacerdotes, para aqueles que servem no altar e na sacristia e, enfim, para todos os católicos ligados à liturgia romana.

Acessem o calendário aqui.

O crepúsculo da ironia

Nos últimos anos tem sido complicado falar em público, pois os indivíduos e os grupos estão cada vez mais sensíveis, reclamando ou rindo de tudo e todos menos de si mesmos, e compreendendo o que se diz no sentido mais literal. O primeiro problema, para mim, tem sua gênese no fato da imaturidade, concretizada num alongamento da adolescência, ter se tornado um dado cultural valorizado; o segundo, por sua vez,  deriva de um nível de articulação linguística baixo, fruto da falta de leituras mais longas e complexas que mensagens no celular, que tolhe a imaginação (ou pelo menos a maneira dela se articular). Assim sendo, como reflexão sobre esse problema, vou postar para os leitores um texto interessantíssimo, de autoria de José Francisco Botelho, que foi publicando na revista Veja de 4 de outubro deste ano (O crepúsculo da ironia – Uma defesa do humor que recusa explicar-se):

“Certo americano muito experiente, a quem conheci em Londres, me garantiu que uma criança saudável e bem alimentada é, com a idade de 1 ano, um petisco bastante nutritivo e salutar, seja fervida, assada, grelhada ou cozida. E não tenho dúvida de que seria ótimo ingrediente para um fricassê ou um ensopado.” Escritas pelo irlandês Jonathan Swift, essas palavras permanecem um dos exemplos mais apetitosos da ironia na literatura: gerações e mais gerações de leitores  experimentaram a mesma hilariante sensação de culpa ao alcançar a assombrosa punchiline. O trecho faz parte de Uma Modesta Proposta para Evitar que as Crianças dos Pobres Sejam um Fardo aos Seus Genitores e ao Seu País, escrita em 1729 – época em que a carestia devastava a terra natal do autor. Seguindo o esquema de um rigoroso argumento lógico, Swift sugere que os irlandeses desvalidos transformem seus filhos em guisados e os vendam aos conterrâneos ricos, em nome do equilíbrio econômico e dietético da nação. Será preciso explicar que o elogio ao canibalismo é uma figura de linguagem, que Swift estava criticando a incompetência das autoridades e que o sarcasmo selvagem era uma forma de sublinhar uma realidade igualmente intolerável? Não duvido que o caro leitor seja capaz de captar a ironia; mas, hoje em dia, há sempre o risco de alguém lavar as coisas ao pé da letra. Continuar lendo