Quando o nível e os valores eram outros: Plínio Salgado – Arquivo Sonoro da Câmara dos Deputados (1961)

1) Evento: Câmara dos Deputados – Sessão Ordinária; Data: 24/08/1961; Orador: Plínio Salgado; Qualificação: Deputado Federal; Anotação: Aparte.

2) Evento: Câmara dos Deputados – Sessão Ordinária; Data: 25/08/1961; Orador: Plínio Salgado; Qualificação: Deputado Federal; Anotação: Encaminhamento de Votação.

3) Evento: Congresso Nacional – Sessão Extraordinária; Data: 28/08/1961; Orador: Plínio Salgado; Qualificação: Deputado Federal.

4) Evento: Congresso Nacional – Sessão Extraordinária; Data: 30/08/1961; Orador: Plínio Salgado; Qualificação: Deputado Federal. Continuar lendo

Leituras do mês (5/2020)

Nota

The Papal Court (Aula Pontificia)

Relato feito a partir de uma visita a Castel Gandolfo, no qual estão em exibição vários objetos da antiga Corte Papal. O texto, cheio de belas fotos, discorre sobre a formação e as funções da Corte, inclusive em termos sociológicos (para as famílias que faziam parte dela e para a Igreja), e sobre o modo indigno e ingrato pelo qual Paulo VI, de nefasta memória, a extinguiu.

A Social Creed

As crenças distributivistas reunidas em forma de credo pelo padre dominicano Vincent McNabb.

Whar Did Jesus Wear?

Uma pequena pesquisa sobre a maneira como Nosso Senhor se vestia e de como seu estilo refletia a essência de sua mensagem.

E não terminam os agravos

Notícia e crítica de mais uma iniciativa desagregadora do Papa Francisco: a participação da Igreja no dia de jejum e oração convocado por um tal Alto Comitê da Fraternidade Humana. É o “espírito do Concílio” sendo levado às últimas consequências.

Persecution to apartheid: A very short history of South African Catholicism

Um vislumbre da história da Igreja na África do Sul até a instalação do apartheid.

Adventures in the Lex Orandi: Comparing Traditional and Modern Orations for St Augustine of Canterbury

Uma comparação do próprio da Missa de Santo Agostinho de Cantuária no rito gregoriano e no rito paulino.

O sepultamento, um rito desejado por Nosso Senhor

Artigo que procura mostrar as origens históricas e culturais da inumação e da cremação, e os motivos pelos quais a Igreja sempre preferiu a primeira. Os dados são interessantes, mas a tentativa de absolutização prática da inumação não me convence.

Tirando dos “crentes” a máscara de fidelidade à Bíblia e a Jesus Cristo

Além desses argumentos do Ir. Diogo (para os leitores desatentos, vale o lembrete: a publicação desse vídeo não significa o endosso de nenhuma posição defendida por ele ou pelo grupo ao que pertence no que se refere à liturgia e à maneira de lidar com a crise pós-conciliar) sempre gosto de citar a incongruência básica do protestantismo de considerar livros do Novo Testamento, como as cartas paulinas, essenciais à Fé e, ao mesmo tempo, não perceber que seus destinatários já eram cristãos antes de os receberem. Por exemplo, quando o Apóstolo escreve aos romanos, redigindo a Carta aos Romanos, aquela comunidade já era católica antes desse evento, ou seja, não é a Carta em si que é essencial, mas a mensagem que ela carrega, e essa já era disseminada por outro meio antes, ou “os romanos” não seriam cristãos.

Leituras do mês (4/2020)

Nota

Why Tanzania´s Catholic churches are staying open despite worldwide lockdown

Na Tanzânia o auxílio espiritual contra os efeitos da gripe chinesa é considerado tão importante quanto os derivados do labor científico.

De Mattei: An Easter that will go down in history…

Roberto de Mattei reflete sobre a excepcionalidade que estamos vivendo neste tempo de preparação para a Páscoa e tergiversa sobre o exercício do papado e sobre a devoção a Nossa Senhora.

Coronavírus: Entre o medo e a audácia

Extraordinário artigo de D. Lourenço no qual ele analisa, à luz da reta doutrina, as diversas atitudes tomadas neste tempo de pandemia.

How the Vatican braced for invasion in the Second World War

Reportagem sobre as descobertas feitas por pesquisas recentes, e lançadas em um livro na Itália, sobre o trabalho da gendermaria pontifícia durante a Segunda Guerra. Como esse texto não está acessível a todos e dada a importância dele, vou reproduzi-lo abaixo:

The COVID-19 pandemic came at the worst time for scholars and historians who had been waiting for the March 2 opening of the Vatican archives’ material that spans the wartime pontificate of Pope Pius XII.

As part of efforts to contain the spread of the coronavirus, the Vatican’s Apostolic Archives — made up of more than 600 archival collections — are closed until further notice.

However, one unique collection of wartime documents had been accessed and studied before the nationwide lockdown: the archives of the Pontifical Gendarmes. The findings, including some never-before-published discoveries, were made available in a recently published book in Italian, “Il Vaticano nella Tormenta” (“The Vatican in the Storm”) by Cesare Catananti.

Known today as the Gendarmerie Corps, the centuries-old police force is charged with protecting the pope, defending the territory of Vatican City State and maintaining law and order within its walls, which was not a tall task for a tiny territory until the storm clouds of World War II rolled in.

The job of the Vatican gendarmes suddenly became harder and riskier when Vatican City — a sovereign and neutral nation — found itself isolated and in potential danger first when fascist Italy joined the war with the Axis powers in 1940, then when Nazi soldiers occupied Rome in 1943 and finally when Rome was liberated, but also occupied, by the Allies in 1944.

During that period, the gendarmes had to: confront spies within its own ranks; keep an eye on diplomats from Allied countries who moved their posts to safety inside Vatican City, but were also suspected of espionage; contain damage from bombs dropping on Vatican territory; house and feed defecting soldiers seeking asylum; figure out how to deal with the unauthorized comings-and-goings of escaped prisoners of war whom an Irish monsignor was helping in a clandestine church-run network; and most challenging of all — have a plan ready to defend the life and safety of Pope Pius XII from Adolf Hitler’s threat to kidnap him.

Catananti provides plenty of details of these events from 1940 to 1944 in his 360-page book.

Based on internal memos, written directives the gendarmes’ received from Vatican officials, police reports and other documents found in the archives, the author also cross-referenced the accounts he found with evidence from other major archives, diaries and sworn testimonies of key protagonists.

What might be most helpful to historians, who are still unsure of how credible the allegations are of a plot by Hitler to kidnap the pope, is the gendarmes’ detailed plan of action to protect the state from incursion and the pope from capture.

While there is still no proof that the possible invasion was either an empty threat or an actual planned operation, Catananti wrote that the fear and risk were real, according to documents he found in the gendarme archives.

The draft plans drawn up in mid-August 1943 by the gendarmes with input from the Swiss Guard as well as the final formal plan approved by the Vatican secretary of state in September 1, 1943 — one week before the Germans took control of Rome — are of great historical value, he wrote. They represent, for now, “the singular and exclusive official documentation on the hypothetical invasion of the Vatican and the kidnapping of the pope.”

A key directive from the secretary of state was that the gendarmes and the Swiss Guard engage in a form of “energetic” yet “passive defence.”

All entrances and points of potential access were to be fortified with additional metal supports and even sandbags. Additional guard posts and patrols were set up and the Vatican fire brigade was authorized to use its equipment as water cannons to keep invaders at bay.

If the Vatican City State border were breached, all Vatican residents were to head to the Apostolic Palace, which would then be sealed off with guards standing at the ready. Weapons could be used only for legitimate self-defence or fired only if ordered by the guards’ superiors.

Enough food and rations for everyone were to be stored in rooms in the palace under the Sistine Chapel, and staff from the maintenance department and health clinic were to have potable water and proper sanitation available.

Vatican medics and pharmacists were also to be prepared to provide medical assistance for any casualties in case of “an active defence” of the palace. In case of an air raid, everyone had to be led out of the Apostolic Palace and to the appropriate shelters near the medieval-era St. John’s Tower.

Any time guards were off duty, they had to remain in uniform and in their barracks so they could be immediately called into action, ready with their rifles and pouches of ammunition.

Though surrounded by walls, Vatican City State was not built like a fortress, and the gendarmes’ draft plans list numerous vulnerabilities, including all the gates, archways and walled sections that were easy to climb.

Small groups of armed Roman citizens made themselves available to guard the external border, particularly by the train trestle leading from Rome into Vatican City.

With Vatican guards spread out over a number of extra-territorial properties, the number of guardsmen available for the pope and palace defense plan was modest: just 200 men total from the gendarmes, Swiss Guard and fire brigade and another 20 from the ceremonial Palatine Guard.

If at any point the palace were breached, guardsmen had to be ready to go to the papal apartments, join the pope’s personal Noble Guard “and create a shield with their own body” to protect the pope.

While there was no attempted kidnapping of the pope, Vatican City State was bombed Nov. 5, 1943, by an unidentified low-flying aircraft. Four of the five bombs caused considerable-to-minor damage to a number of buildings and infrastructure.

A number of Vatican properties throughout the city and the papal villa of Castel Gandolfo had been hit by Allies multiple times as they advanced against the Germans in 1944, resulting in hundreds of casualties. The papal villa had become a shelter for about 6,000 people — mostly women and children — who were local residents and refugees seeking protection from the pope.

Catananti wrote that the surviving documents — some were destroyed in the 1970s from water damage after a pipe burst — showed the many ways the Vatican tried to navigate two completely different tracks: enforcing respect for its sovereignty and neutrality in a time of war and opening its arms to anyone in need.

“Even if the written orders to the gendarmes were to ‘turn away’ people, the actual praxis being followed was ‘welcoming’ people. The words of the Gospel were, in essence, the true law to be respected,” he wrote.

Pope St. John XXIII Blessing the Agnus Deis

Filmagem de 1959 em que o Papa João XXIII benze os agnus deis.

Clausum Pasche

Texto sobre a importância da semana após a Páscoa nas formas litúrgicas tradicionais.

Dutch officials after church sale: “It´s better to have Buddhistis than apartments”

Reportagem sobre uma igreja de uma vila holandesa que foi vendida a um grupo budista. O número de absurdos contidos nessa história é enorme: primeiro, a igreja foi vendida porque a comunidade católica da vila estava “perdendo a fé” – mais um exemplo da “primavera conciliar”; segundo, venderam para um grupo budista, como se esse fosse o mal menor pelo simples fato deles serem “espiritualizados”; terceiro, os católicos do lugar, incluindo seu antigo padre, se sentem muito confortáveis com as meditações dos orientais.

O dilema que a canonização de JoãomPaulo II apresenta

Texto já antigo do Prof. Angueth sobre os problemas doutrinários levantados pela canização de João Paulo II.

BREAKING – IMPORTANT – Summorum Under Threat? – Holy See sends survey to Bishops on Summorum Pontificum (Exclusive)

Foi lançada uma consulta secreta sobre a aplicação do Summorum Pontificum. Aqui algumas histórias sobre os bastidores dessa iniciativa.

Chegou o Comunavírus

Texto do ministro Ernesto Araújo, no qual ele analisa um livro recente de Slavoj Zizek à luz da quarentena provocada pelo COVID-19. Para o ministro, Zizeck explicita o desejo de muitos marxistas de que o atual cerceamento de liberdades, feito sob os auspícios de uma organização internacional, seja o vislumbre de uma nova era histórica.

Meditações da Quarentena

Um ótimo texto da Permanência que mostra como a Providência no aponta São José como modelo para os cristãos em quarentena.

R.I.P. the United States of America

Mais um texto do bispo sedevacantista Sanborn sobre as consequências de como os governos estão lidando com a pandemia do coronavírus. Particularmente acho que ele faltou esclarecer algumas de suas afirmações sobre a relação da constituição americana com a doutrina católica, mas, de qualquer forma, de um ponto de vista pragmático, ele teceu uma série de considerações, em especial a da relação entre a proporção entre ganhos e perdas, que devem ser levadas em conta em qualquer análise sobre a situação atual.

De Mattei: The mystery of the Coronavirus amid hyphoteses and certainties

Roberto de Mattei analisa as hipótes e certezas que temos em torno da origem do coronavírus que provoca a peste chinesa, e tira algumas consequências delas.

Tempos de peste: A vida nas favelas

Como três comunidades – em São Paulo, no Rio e Recife – enfrentam a pandemia.

A imoralidade das quarentenas ilimitadas

À medida que governos nacionais e locais fizeram, na tentativa de combate à pandemia causada pela peste chinesa, uma transição entre o pragmático distanciamento social para a destruição de suas economias, muitas vozes em contrário se levantaram, mas foram quase sempre desprezadas pela “grande” mídia e pela classe média. Assim, vamos dar espaço para uma dessas reflexões fora da curva, publicada originalmente no Rorate Caeli e de autoria do Pe. John F. Naugle, M.A., S.T.B.:

Os fins não justificam os meios: a imoralidade das quarentenas ilimitadas

Qualquer pessoa que teve aula de ética elementar se deparou com perguntas semelhantes a seguinte:

Se milhões de pessoas estão com uma doença mortal e uma possível cura é muito difícil, sendo a única solução colher as células de um bebê, resultando na sua morte, o que nós devemos fazer?

Cenários como esse são úteis para se aprofundar as suposições subjacentes a uma dada estrutura moral, especialmente para mostrar a diferença entre o consequencialismo e outras formas de pensamento moral. Normalmente os debates se passam nas salas de aula, com os graduandos tentando mostrar um nível de profundidade que está muito além do seu conhecimento.

Mas graças a Deus somos católicos. A resposta é clara.

Uma intenção boa (por exemplo: ajudar o próximo) não torna bom nem justo um comportamento em si mesmo desordenado (como a mentira e a maledicência). O fim não justifica os meios. Assim, não se pode justificar a condenação dum inocente como meio legítimo para salvar o povo. (CIC, 1753)

Deus nos proíbe de prejudicar aquele bebê, ainda que isso custe milhões de vidas. Até pensar diferentemente disso é uma grave violação à Lei Divina. Fim da discussão. Continuar lendo