Além das montanhas

além 1Eu tinha lido vários comentários sobre o filme romeno Além das montanhas (Cristian Mungiu, Romênia, 2013) antes de ir vê-lo, mas nenhum me preparou para o que assisti.

Essa obra cinematográfica conta a história real de um exorcismo que deu errado (em 2005). Devo confessar que duas coisas me atraíram nos textos que li: um possível retrato do obscurantismo dos cismáticos “ortodoxos” e o exorcismo em si mesmo (quem já presenciou casos reais tem sempre um interesse mórbido na questão).

além 2Para minha surpresa, o que o filme relatou foi bem diferente. Nele temos um delicado mergulho na vida de uma comunidade de crentes, convicta de seus princípios, mas, ao mesmo tempo, paciente com as falhas (e os pecados) dos seus membros. Naturalmente, os indiferentes e os que tiveram uma experiência religiosa sociologicamente sectária (mesmo dentro da Igreja) nunca vão entender a convivência entre essas duas facetas.

além 4Bem, indo diretamente aos fatos, temos a história da volta de uma romena (Alina) que tinha imigrado para a Alemanha a sua terra natal (uma cidade do interior). Ela volta devido ao chamado de uma antiga amiga do orfanato em que viveu (Vouchita), agora pertencente a um jovem monastério fundado por um padre reformador (o Pai). Ocorrem vários conflitos nessa volta, seja de Alina com seus antigos tutores, seja dela com os integrantes da comunidade religiosa (ela se hospeda entre eles).

além 3Pouco a pouco, começa a se delinear uma antiga história de amor, que envolvia Alina e sua amiga monja. Voichita entende sua condição, mas prefere sacrificar o amor terreno pelo amor ao Cristo (e fala tudo com uma sinceridade dolorosamente tocante); já Alina nutre sem cessar esperanças por esse amor, e ensaia uma entrada no mosteiro apenas para ficar ao lado da alma que aquece seu coração e lha dá forças para enfrentar uma nova volta à Alemanha.

Nesse momento, Alina passa a ter um comportamento estranho, histérico, aparentemente derivado do seu amor não concretizado (que todos percebem como algo possível à condição humana). Os superiores da comunidade religiosa levam-na a um hospital, onde as complicações de um sistema de saúde desorganizado e desumanizado, sem recursos e burocrático (resultado de anos de socialismo seguidos de anos de liberalismo), impedem a adequada identificação e tratamento do problema pelo qual ela passa. Uma enfermeira e um médico são os primeiros a sugerir que se está diante de uma possessão, mas o Pai sabe que isso não pode ser afirmado de pronto, sem que outras possibilidades se esgotem, e decide não fazer oração alguma para a expulsão dos demônios. Continua, desse modo, a ajudar Alina com os custosos medicamentos indicados no hospital.

No correr dos dias, os ataques de Alina passam a interferir na vida interna do mosteiro e nas atividades de apostolado externo que ele mantém. Fora isso, pelo bem da virtude, o contato entre ela e Voichita tem de ser cortado. O quadro só se agrava…

além 5Desse modo, movido pela única forma que tem de ajudar a hóspede problemática, e autorizado pelo irmão dela, que também passa a viver na comunidade religiosa, o Pai inicia as orações de exorcismo. Aqui está o ponto fulcral da história: o exorcismo não foi o produto do obscurantismo de quem quer que seja, foi a única maneira que aquelas pessoas encontraram para ajudar alguém que sofria.

Daí temos uma série de eventos em que o controle da situação é perdido no desespero, no frio e no esgotamento físico e mental do Pai e das monjas, como a amarração de Alina a um conjunto de tábuas (por acaso, semelhantes a uma cruz, mas que só tinham a função de servir de maca). Tudo, enfim, desemboca na morte acidental da suposta possessa.

além 6Então “todos acordam” e o mundo externo ao mosteiro e aos segredos da vida de qualquer família se faz presente novamente, com suas máscaras e idiossincrasias. A confiança em Deus e a honra em assumir os próprios atos é o que resta.

além 7Um materialista rancoroso vai sempre olhar esse fato da pior maneira possível; alguém com essa característica não fará o menor esforço de compreensão. Mas é bom lembrar que esse esforço não elimina a tragédia, antes a torna realmente uma tragédia, isto é, desvela todo o drama, todo o conflito, que envolveu os personagens. Um grande filme, uma grande história, cuja essência (a necessidade de escolhas difíceis) todos vivemos ou vamos viver em algum momento.

2 respostas em “Além das montanhas

  1. Muito bom esse texto, o comentário foi inteligente e honesto. Deu vontade ver o filme, mas acho que ele não foi lançado em DVD no Brasil e não sei onde baixar.

  2. Oi, Lucas, obrigado por comentar aqui. De fato, eu não sei se esse filme foi lançado em DVD no Brasil, mas meu palpite é que não tenha sido, pois as próprias exibições cinematográficas deles foram bem escassas (minha sorte é termos um bom “cinema de arte” aqui em Recife, o da Fundação Joaquim Nabuco). Talvez você o encontre em alguma loja internacional, como a Amazon, procurando pelo nome em inglês “Beyonde the Hills”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s