Categorias
Filosofia História Sociedade

Marilena Chaui: de que buraco saiu?

O vídeo comentado é este.

Categorias
Espiritualidade História Santos

A vida de São Luís Gonzaga

Categorias
Apologética História

Sobre as canonizações

Pela Fé Católica

ceremony-canonization

Texto a seguir faz uma comparação interessante entre o antigo processo de canonização e o processo reformado. Não temos necessariamente a mesma opinião do autor, mas o quadro comparativo é bastante interessante.

Sobre o assunto, há os seguintes textos: Advogado do diabo e Madre Teresa.

O texto originalmente aqui.

****************

 

Canonização: comparação do Velho vs. Novo

 

Ver o post original 2.412 mais palavras

Categorias
Apologética História

Estavam atrás de riquezas?

Cruzadas

Categorias
Brasil profundo Contrarrevolução História Sociedade

O 13 de maio, uma data esquecida

Categorias
Brasil profundo História

Do nativismo brasileiro

Certas coisas parece que nunca mudam:

nativismoPadecem essas nacionalidades [latino-americanas], principalmente no seu ódio romântico à Península, – sua grande madre, as consequências duma longa e persistente infiltração estrangeira. Se nas nações de origem espanhola, mercê duma activa campanha intelectual, o regresso aos caminhos da verdade começou já a acentuar-se, o “nativismo” no Brasil, desprezando, entre outros avisos, o do insuspeito Sílvio Romero, não hesita em quebrar todas as amarras que prendem a pátria brasileira ao passado, – e glorioso passado! –, de Portugal. Chega-se até à extremidade de aclamar como um puro tipo de brasileirismo nascente a Calabar, – um traidor, que não trepidou em abandonar seus irmãos de armas, passando-se para o holandês – para o inimigo!

Nunca o Brasil deve esquecer os aplausos que a colonização portuguesa arrancou a Eduardo Prado, – colonização católica, criadora de povos, tal como a espanhola –, e não simples ocupadora de territórios, onde a caça ao indígena se tornava processo sumário de domínio, – tal como a Inglaterra. Cremos bem que a tendência mental no Brasil se modificará sensivelmente, com mais justiça e mais meditação sobre as lições da História. O esforço de Elísio de Carvalho, com as páginas fortes e sinceras dos seus Bastiões da Nacionalidade, representa já uma sensível modificação do ambiente. Mas a Elísio de Carvalho e aos seus colaboradores da América Brasileira, – que o querido e ilustre camarada nos perdoe a franqueza, talvez um tanto desabrida! –, falta-lhes uma doutrina, uma filosofia. Como nacionalistas, a sua doutrina, a sua filosofia, teria de ser iniludivelmente anti-democrática, ou melhor dizendo, contra-revolucionária. É, de resto, a filosofia que o Brasil já possui nas belas campanhas de Jackson de Figueiredo, meu irmão na mesma dupla fé religiosa e tradicionalista. Mas, ai de nós!, Jackson de Figueiredo participa um tanto da lusofobia dos nativistas, como, com mágoa, concluo da leitura do seu opúsculo Do Nacionalismo na Hora Presente. Aponta justamente aí Jackson de Figueiredo a diferença que há para um americano na revolução, ou seja, “na violenta separação que estabelecemos entre nós e as metrópoles”, – diz o autor eminente de Pascal e a Inquietação Moderna –, e a Revolução quando, facto moral e ideológico, importa a negação dos dogmas nacionais, “paralela quase sempre à negação religiosa”. O desacordo começa, porém, quando, assinalando ao “português” a sua qualidade de “estrangeiro” no Brasil, o considera no mesmo pé de igualdade que “o francês, o alemão ou o japonês”. Eis onde nos distanciamos profundamente, entendendo que o nacionalismo de Elísio de Carvalho, neste aspecto do problema, se coloca mais dentro dos princípios tradicionalistas que o patriotismo alarmado de Jackson de Figueiredo.

– Antônio Sardinha (A Aliança Peninsular, via Acção Integral)

Categorias
Espiritualidade História

Origem do Angelus

angelusA base que formou o que hoje chamamos Angelus vem de tempos imemoriais e, tem relação com a crença de que a Anunciação se deu a tarde.

Vou analisar essa prática de um ponto de vista natural.

Podemos dizer que o Angelus é a prática de comemorar o mistério da Encarnação recitando certos versículos, 3 Ave-Marias e uma prece especial quando o sino toca 6, 12 e 18 horas. Mesmo tendo uma origem obscura, é certo que os vários momentos previstos para o Angelus não se desenvolveram ao mesmo tempo.

Embora nenhuma conexão direta possa ser feita entre o Angelus vespertino e o toque de recolher que os sinos davam antigamente (hoje, o mesmo horário é a hora de sair ), considera-se que Gregório IX prescreveu tal toque para lembrar os católicos de rezar pelos cruzados. Em 1269 São Boa Ventura advertiu seus frades a exortar os fiéis a imitarem o costume franciscano de recitar 3 Ave-Marias quando o sino tocava ao entardecer. João XXII ligou uma indulgência a essa prática em 1318 e 1327.

O Angelus da manhã derivou do crescimento, no século XIV, do costume monástico de recitar 3 Ave-Marias no toque para as Primas.

O Angelus do meio-dia originou-se da devoção da Paixão, que levava ao toque de sinos ao meio-dia das sextas-feiras; também é associado a orar pela paz. A prática foi primeiro mencionada no Sínodo de Praga em 1386 e estendida a toda a semana quando Calisto III, em 1456, convidou todo o mundo a rezar pela vitória sobre os turcos.

O século XVI viu a unificação dos três costumes. Bento XIV, Leão XIII e Pio XI indulgenciaram a prática: 10 anos a cada período de recitação e uma plenária a quem recitá-lo diariamente por um mês (tocando sino ou não).