A verdade se imporá

quoteO diálogo genuinamente fraterno não esconde a verdade, mas de fato sofre com o outro, que se encontra (provisoriamente) afundado no erro. A pior coisa seria falsear a verdade, para não desagradar, para evitar suscetibilidades perfeitamente razoáveis e compreensíveis (dado o envolvimento pessoal do interlocutor com o assunto), e, até, aceitar como positivo aquilo que é intrinsecamente mau e errado. Não só porque se perde toda a credibilidade e o respeito, mas sobretudo porque não adianta – e, ao cabo, amanhã ou mais tarde, a verdade se imporá.

– José Luiz Delgado (Jornal do Commercio, Recife, 3 de setembro de 2016)

Como a Missa Latina Tradicional suscita mais participação ativa que a Forma Ordinária

Destacado

Texto original: New liturgical movement

Por Peter Kwasniewski

****************

april_04__2010___555

Quantas vezes os apreciadores do Rito Romano clássico já ouviram a objeção: “A Missa nova é melhor que a antiga porque permite maior participação ativa dos fieis”, ou “A Missa antiga tinha de ser eventualmente reformada, porque o sacerdote era o único fazendo alguma coisa, e as pessoas eram todas espectadoras mudas”. Meu objetivo neste artigo é refutar tal alegação e demonstrar que, pelo contrário, o oposto é verdadeiro.

É permitido o uso do véu na Igreja?

Hoje em dia muito se discute se é ou não permitido que a mulher use o véu dentro da Igreja. Uns dizem que não, pois seria um costume antigo, obsoleto. Outros afirmam que não só é permitido, mas obrigatório que mulher use o véu. Qual é a posição da Igreja diante do tema? Auxiliado por documentos, por pronunciamentos dos grandes santos e por outros meios disponíveis, Padre Paulo Ricardo percorre as diversas nuances desse piedoso costume neste vídeo:

Só para complementar, um tipo de costume que o Pe. Paulo parece desconhecer é o retratado neste post, um costume chinês, segundo o qual os homens deveriam usar chapéus durante a Missa.

The Value of Suffering

I once met a Zen-trained painter in Japan, in his 90s, who told me that suffering is a privilege, it moves us toward thinking about essential things and shakes us out of shortsighted complacency; when he was a boy, he said, it was believed you should pay for suffering, it proves such a hidden blessing.

Yet none of that begins to apply to a child gassed to death (or born with AIDS or hit by a “limited strike”). Philosophy cannot cure a toothache, and the person who starts going on about its long-term benefits may induce a headache, too.

(The Value of Suffering – NY Times)

6 prescrições para viver bem e ganhar a salvação eterna segundo D. Bosco

D. BoscoNascido em 1815, São João Bosco foi um homem de inteligência extraordinária, charme e força física – dons que ele usou exclusivamente para servir ao próximo num esforço contínuo de ganhar almas para Deus, especialmente a dos meninos. Ele fundou o Oratório de São Francisco de Sales, uma escola e refúgio para as crianças que ajudava, e, 1859, uma congregação dedicada à educação católica.

O estilo de ensino dele era cândido, simples, mas com uma grande visão. Nesse âmbito, vou apresentar aqui o que ele chamada de “medicina para a alma”. A simplicidade e eficácia dessas “prescrições” nos lembra aqueles velhos remédios caseiros feitos pelas nossas mães ou avós. Eles ajudam jovens e velhos indistintamente.

I prescrição: Dê a Deus a maior honra e glória possível com toda a sua alma. Se você tem um pecado na sua consciência, remova-o o mais rápido possível por meio de uma boa confissão.

II prescrição: Nunca ofenda ninguém. Acima de tudo, esteja disposto a servir aos outros. Demande mais de si mesmo que de seu próximo.

III prescrição: Não confie naqueles que não têm fé em Deus e que não obedecem aos seus mandamentos. Aqueles que não têm escrúpulos em ofender a Deus e que não dão a Ele o que deveriam, não terão barreiras para ofender você e trair sua confiança quando for conveniente.

IV prescrição: Se você não quer cair na ruína, nunca deverá gastar mais do que ganha. Tenha sempre isso em mente e examine suas verdadeiras condições com afinco.

V prescrição: Seja humilde. Fale pouco de si e nunca louve a si mesmo diante de ninguém. Aquele que louva a si, mesmo quando tem um mérito verdadeiro, arrisca-se a perder a boa impressão causada aos outros. Aquele que busca apenas glória e honra tem certamente uma cabeça vazia alimentada apenas pelo vento… não terá paz de alma e não será confiável em suas iniciativas.

VI prescrição: Carregue sua cruz nas suas costas e aceite-a da maneira que é, pequena ou grande, venha ela de amigos ou inimigos ou de qualquer outra origem. O mais inteligente e feliz dos homens é aquele que, sabendo que ele está condenado a carregar a cruz ao longo da vida, de bom grado aceita resignadamente o que Deus lhe enviou.

Promessa de felicidade

D. Bosco conclui: “Caro amigo, eu sou um homem que ama a alegria, e que, portanto, deseja vê-lo e a todo mundo feliz. Se você fizer o que eu digo, vai ser alegre e feliz de coração.”

Traduzido e adaptado deste texto.

Dicas para a promoção da liturgia gregoriana nas dioceses

Texto do confrade Higo Felipe:

SL 1No Brasil existem vários grupos profundamente interessados em promover e viver a liturgia gregoriana, segundo o Motu Proprio Summorum Pontificum e a Instrução Universiae Ecclesiae. Porém, por motivos diversos, alguns desses grupos não tem sucesso nessa promoção, o que pode acabar por causar uma desunião e abrir feridas.

Por isso, estou criando um post com a história recente da Liturgia Gregoriana na Arquidiocese de São Luis, bem como algumas dicas que espero que possam ajudar os católicos do Brasil na promoção e manutenção da Forma Extraordinária. Essas dicas são basicamente baseadas na nossa experiência recente na aplicação do Summorum Pontificum em São Luís – MA. Nós temos, graças a Deus, a Missa mensalmente desde o mês de Fevereiro de 2012.

A História

O nosso grupo de fieis teve início como tal no começo de Janeiro de 2012, após alguns grupos de fieis espalhados pela cidade, que já divulgavam entre amigos, familiares, amigos da paróquia, etc, a Liturgia Gregoriana, juntarem forças pelo Bem almejado por todos, a Missa. Feita a união, no dia 18 de Janeiro de 2012, fomos eu mais 4 pessoas falar com o Arcebispo, Dom José Belisário, OFM, sobre o nosso interesse. Após uma conversa tranquila e respeitosa, o Arcebispo mostrou-se amplamente favorável, e permitiu que as Missas fossem celebradas. Após isso, iniciaram os ensaios dos acólitos (um deles, este que vos escreve) e da schola cantorum, para que no mês seguinte, no dia 26 de Fevereiro de 2012, 1° Domingo da Quaresma, tivéssemos a primeira Missa na bela igreja de Nossa Senhora do Monte Carmelo, à qual houve considerável concorrência de fieis:

sl 2 sl3 sl4Dicas

Formação

Um tanto quanto óbvio, mas nunca é demais rememorar: orem, estudem, conversem, reflitam sobre assuntos pertinentes à Igreja e à liturgia gregoriana(o canto, o latim, a modéstia no templo, o véu, etc). É importante que todos estejam ali porque amam a liturgia tridentina, não porque a Missa é em latim ou porque é a Missa antiga.

Oração

A causa da forma extraordinária é sobrenatural. REZEM. “A oração tudo pode” dizia Santa Paula Frassinetti e muitos outros santos afirmaram isto com estas ou outras palavras. “Tudo que pedirdes com fé em oração recebereis” diz o Senhor ( Mt 21, 22) Rezem para que vocês consigam esta graça. Aqui em São Luís, fizemos uma Cruzada de Rosários: eu com algumas pessoas rezamos por 1 mês o Rosário diariamente na intenção da Missa na forma extraordinária. Resultado: antes mesmo do fim da Cruzada, recebemos a autorização do Arcebispo.

Sem polêmicas

Vocês querem a liturgia gregoriana? Então o façam sem discussões desnecessárias; que tudo seja feito na base da conversa e do respeito. Não precisa denegrir ninguém, falar mal de ninguém ou de erros que por ventura existam na celebração da forma ordinária. Deve-se promover a forma extraordinária sem precisar apontar erros ou equívocos na celebração da forma ordinária.

A Liturgia

Certifiquem-se ANTES das Missas começarem que TUDO relativo ao culto já esteja preparado:

1) O padre já conhece bem as rubricas?
2) Missal? Sacras?
3) Há pessoas dispostas a formar um coral?
4) Os acólitos conhecem o rito? É fundamental que os acólitos estejam bem ensaiados. Falo como acólito: as rubricas não são fáceis e ensaios regulares (ao menos uma vez por semana) ajudam muito nisso.
5) Vocês têm os paramentos? Os paramentos necessários são casula (casulas góticas não estão proibidas), alva, manípulo, cíngulo e estola. Caso haja Missas cantadas frequentes, ter uma pluvial de cada cor do tempo litúrgico é importante também.
6) Castiçais (6 é o número ideal), toalhas de altar? (vale ressaltar que no usus antiquor o altar deve ter 3 toalhas).
7) Alfaias? (véu do cálice, véu do tabernáculo, manustérgio, patena da Comunhão, sanguíneo, etc).

Vivência

É importante que haja nos membros do grupo uma sincera e católica vivência eclesial, em nível paroquial/diocesano. Isso dá uma boa visibilidade ao grupo e mostra que vocês não são apenas “alienados saudosistas”, mas católicos de direito e de fato. A prova viva disso é que muitas pessoas vem para as Missas daqui de São Luís por convite de amigos seus da catequese, da música, legião de Maria, Apostolado da Oração, e outros grupos e movimentos.

A procura pelo padre

Falem com os padres respeitosamente. Peçam com naturalidade, e acima de tudo, mostrem que vocês possuem um grupo coeso e dedicado ao que vocês querem. Nunca falem “mal” de um padre para o outro ou mesmo para o povo. Não se deve nunca estimular ou criar animosidade entre as pessoas, sejam padres ou mesmo leigos.

Caso não conheçam padres que saibam celebrar o rito em sua forma extraordinária, peçam que o bispo indique alguém ou, em último caso, vejam algum sacerdote que se identifique com o rito gregoriano e que, mesmo não sabendo tudo ainda, disponha-se a aprender a celebrar nesta forma.