Categorias
Crise Humor

Igreja em saída

Categorias
Arte Crise Liturgia

50 anos atrás: não católicos peticionaram ao Papa pelo rito romano tradicional

agatha

Tradução de um texto do Dr. Joseph Shaw publicado no 1P5:

Vladmir Ashkenazy e o indulto “Agatha Christie”

O que os escritores W.H. Auden, Evelyn Waugh, Jorge Borges e François Mauriac têm em comum com o compositor Benjamin Britten, o violonista Andrés Segovia e os filósofos Augusto Del Noce e Jacques Maritain? Todos eles assinaram uma petição internacional em 1966 implorando à Santa Sé que não destruísse a antiga Missa em latim.

Mais conhecida é outra petição, organizada na Inglaterra por Alfred Marnau da Latin Mass Society, buscando a mesma coisa em 1971. Ela foi assinada por uma seleção impressionante da elite cultural britânica – o editor do Times, o presidente da Academia Britânica, o duque de Norfolk, uma parte dos bispos anglicanos e, de forma mais memorável, pela escritora de romances policiais Agatha Christie. Muitas vezes é esquecido o fato de que aos 57 nomes da petição de Marnau, outros 42 foram acrescentados por meio de uma lista publicada na Itália, incluindo todo um grupo de amigos literários do argentino Jorge Borges e três americanos: o artista Djuno Barnes, o poeta Robert Lowell e o acadêmico francês que se tornou americano, Julien Green. Uma nova safra de peticionários apelou a Roma em 2006 para dar apoio moral ao Papa Bento XVI, que se preparava para afrouxar as restrições à Missa antiga. Entre eles estavam o cineasta Franco Zeffirelli, o filósofo René Girard e o ator Jean Piat, que fez a voz de “Cicatriz” no Rei Leão.

É uma mistura eclética, incluindo figuras dos negócios, diplomacia, política e academia. Mas são os artistas, músicos, romancistas e poetas que se destacam. Entre esses peticionários estão oito compositores, quatro maestros, três membros da Académie française e dois vencedores do Prêmio Nobel de Literatura. De forma alguma são todos católicos: católicos decadentes como Graham Greene se inscreveram, novos convertidos como Malcolm Muggeridge e também muitos sem nenhuma ligação particular com a Igreja, como a escritora Nancy Mitford, a escultora Barbara Hepworth e a soprano Joan Sutherland.

Categorias
Brasil profundo

Povos tradicionais do Brasil

A esquerda identitária e a direita subserviente a miragens internacionais desconhecem o verdadeiro Brasil e, desse modo, são incapazes de notar aquilo que formamos de próprio (e que é o que deve ser valorizado em primeiro lugar) como nossos “povos”. Antes de falar em afro-brasileiros ou ítalo-brasileiros, ou qualquer outra nomenclatura que dê a ideia de algo que ainda não está devidamente assentado na unidade nacional, valorizemos a riqueza que vem retratada no seguinte mapa:

Categorias
Informação

Leituras selecionadas (10/2021)

A Letter from the Vatican on Traditionis Custodes

Cartas trocadas entre o Arcebispo de Westminster e o Prefeito da Congregação para o Culto Divino revelam nuances de como as autoridades eclesiásticas planejam a extinção gradativa do rito romano tradicional.

refugiados

Breathing with One Lung: TLM Refugees in the Byzantine Church

Refugiados do Motu Impróprio encontram abrigo em uma paróquia de rito oriental nos EUA.

Are Canonizations Infallible?

Resenha de uma obra recente que confronta argumentos pró e contra a infalibilidade das canonizações.

Some lies to entertain you

Algumas mentiras sobre a “reforma litúrgica” confrontadas com os fatos.

Hidden Origins of Traditionis Custodes: Grillo and Francis’s Self-Abrogation

As origens remotas do Motu impróprio estão na resistência de intelectuais “progressistas” a decretos do próprio Francisco. Um texto interessantíssimo!

Sedevacantismo, um convite à perdição

O mais novo texto de Nougué sobre o sedevacantismo, que além dele considerar um erro teológico, também considera um fruto de corações endurecidos. Particularmente, não concordo com isso.

Los nuevos bolcheviques y el conservadurismo moderado (críticas de Putin à chamada “agenda globalista”)

Open letter by Dominican theologian Fr. Wojciech Gołaski: “I must bear witness to the treasure of the holy rites of the Church”

Carta aberta de um dominicano, que expõe os motivos que o levaram a pedir a integração na FSSPX após o Motu impróprio.

Categorias
Apologética Catequese Humor

O pastor vs as catacumbas

Categorias
Catequese

Terceiro Artigo do Credo

Categorias
Bíblia Catequese História

O Templo de Jerusalém no tempo de Jesus

Um vídeo muito didático de Max Cardoso sobre o Templo na época de Jesus (as analogias com a arquitetura interna das igrejas e com as formas litúrgicas tradicionais do cristianismo são evidentes):

Categorias
Catequese Espiritualidade

Como honrar o corpo de Cristo

Quereis de verdade honrar o corpo de Cristo? Não consintais que esteja nu. Depois que o tiverdes honrado aqui na igreja com vestidos de seda, não permitais que fora ele morra de frio e desnudez. Aquele que disse: “Isto é o meu corpo” confirmando com sua palavra o ato que realizou, disse também: “Tive fome e não me destes de comer” e: “Toda vez que não fizestes estas coisas a um destes meus irmãos pequeninos, não o fizestes a mim”. O corpo de Cristo que está no altar não necessita de mantos, mas de corações puros; ao passo que aquele que está fora, requer muito cuidado. Aprendamos, portanto, a meditar sobre um mistério tão grande e a honrar Cristo como Ele quer ser honrado… Que aproveita ao Cristo se o seu altar está coberto de ouro quando ele mesmo está morrendo de fome no pobre? Saciai primeiro aquele que tem fome e depois, se te resta ainda dinheiro, adorna também o teu altar. Se lhe ofereces um cálice de ouro e não lhe dás um copo de água fresca: que benefício terá disso? Procuras para o altar panos bordados a ouro, e não lhe ofereces a roupa de que necessita: o que ganha com isso?… Digo isso para não proibir de honrar Cristo com tais dons, mas para exortar-te a oferecer ajuda aos pobres junto com estes dons ou melhor dar primeiro a ajuda concreta e depois os dons simbólicos… Enquanto adornas a igreja, não desprezar o irmão que se encontra em necessidade: ele é, de fato, um templo muito mais precioso do que o outro.

São João Crisóstomo, Homilia sobre o Evangelho de Mateus, 5, 3-4