O Missal de 1962 – Estável como uma rocha

Texto traduzido por Cláudio Loureiro e revisado por Thiago Santos de Moraes

[1] No Motu Proprio Ecclesia Dei, o Papa João Paulo II manifestou sua vontade de que o Missal de 1962 deveria ser acessível a todos os católicos ligados à liturgia tradicional. A Comissão  Ecclesia Dei, em Roma, desde o seu primeiro presidente, Cardeal Mayer, sucedido pelo Cardeal Innocenti, mostrou pouca simpatia e tem dado pouca ajuda para estes católicos  alcançarem suas legítimas aspirações. A Comissão agora está autorizando modificações naquele missal que certamente minarão qualquer credibilidade que ela ainda tenha depois de sua autoritária intervenção, favorável ao grupo minoritário, dentro da Fraternidade de São Pedro em 1999/2000. A seguir, apresentamos um artigo de Michael Davies em que ele explica a razão pela qual o Missal de 1962 deve ser considerado estável como uma rocha dentro do movimento de desintegração da Igreja no Ocidente e o motivo pelo qual deve ser defendido com toda a força contra a sua substituição pelo missal de 1965, da destruição de seu ethos sagrado pela introdução do Lecionário de 1970 e da a prática da Comunhão na mão. Ele coloca o que se faz hoje em perspectiva histórica, em particular com a maneira pela qual Thomas Cranmer condicionou o povo da Inglaterra a aceitar sua ordem de culto em 1552.

Comentando, em 1898, sobre a maneira pela qual Thomas Cranmer, o arcebispo apóstata da Cantuária, mutilou a Santa Missa removendo especificamente as orações com aspecto propiciatório, ao revisá-la para adequar o Sarum [2] à sua Ordem de Culto, os Bispos Católicos da Província de Wetsminster disseram:

Que antigamente as igrejas locais permitiam adicionar novas orações e cerimônias é algo conhecido… Agora, que essas, além disso, permitiam subtrair orações e cerimônias em uso prévio, e até mesmo remodelar os ritos existentes de maneira drástica, é uma afirmação que sabemos não ter fundamento histórico e nos parece totalmente falsa. Consequentemente, Cranmer, fazendo algo assim, sem os menores precedentes, em nossa opinião, o fez com precipitação inconcebível.(1)

Continuar lendo

Por que os católicos deixam a Igreja?

Segundo o Pe. Robert Barron, após uma pesquisa feita, foi constatado que há três problemas graves e que podem ser solucionados apenas pela boa vontade dos padres e daqueles que estão a frente das nossas pastorais:

  • A má atenção dada pelos que estão à frente das nossas pastorais e secretarias paroquiais (que muitas vezes são o primeiro contato que pessoas que estão fora da Igreja tem com esta);
  • As más e despreparadas pregações dos bispos, padres e diáconos (que, na maioria das vezes, não tem mais o propósito de responder os anseios e as dúvidas das pessoas e são vagas e sem um objetivo);
  • A falta de comunicação e integração da comunidade (principalmente quando alguém abandona a vida comunitária e não é procurada por ninguém).

O silêncio de José

Vale a pena examinar um pouco a vida de São José. A Bíblia nada fala sobre ele, nem sequer cita uma palavra dita por ele. De Maria sabe-se mais, podemos até decorar o Magníficat; mas de José não há nada! De Maria nós conhecemos o diálogo que teve com o anjo: este falava e ela respondia… Foi até elogiada por Gabriel! A Bíblia menciona José apenas para dizer que um anjo o abordava em sonho para dar-lhe alguma ordem. E ele obedecia (Cf. Mt 1,20; 2,13.19-22).

Que terá feito José na vida? Nada sabemos! Não existe nenhum registro, nenhum documento… Nem mesmo uma cadeira que se possa dizer ter sido fabricada por ele. Beseleel era um carpinteiro que ficou famoso por ter feito a Arca da Aliança. Isto está registrado na Bíblia (Cf. Ex 31,1-11). Mas José fez o quê, como carpinteiro? Desconhecemos.

Por que, então, José é santo, se aparentemente não fez nada, não disse nada, não perguntou nada? E é o santo predileto de inúmeras pessoas! Santa Teresa de Jesus considerava-o o santo de sua predileção.

Continuar lendo

Como estabelecer a Missa Tridentina na sua paróquia

Tradução, com adaptações, deste artigo.

Com o Motu Proprio Summorum Pontificumo Papa Bento XVI permitiu aos católicos pedir aos seus padres celebrem a tradicional Missa em latim. Diz o documento:

Art. 5-§ 1.  Nas paróquias, onde houver um grupo estável de fiéis aderentes à precedente tradição litúrgica, o pároco acolha de bom grado as suas solicitações de terem a celebração da Santa Missa segundo o rito do Missal Romano editado em 1962. Providencie para que o bem destes fiéis se harmonize com o cuidado pastoral ordinário da paróquia, sob a orientação do Bispo, como previsto no cân. 392, evitando a discórdia e favorecendo a unidade de toda a Igreja.

§ 2.  A celebração segundo o Missal do Beato  João XXIII pode realizar-se nos dias feriais; nos domingos e dias santos, também é possível uma celebração desse género.

§ 3.  Para os fiéis e sacerdotes que o solicitem, o pároco permita as celebrações nesta forma extraordinária também em circunstâncias particulares como matrimónios, funerais ou celebrações ocasionais como, por exemplo, peregrinações.

§ 4.  Os sacerdotes que utilizem o Missal do Beato  João XXIII devem ser idóneos e não estar juridicamente impedidos.

§ 5.  Nas igrejas que não são paroquiais nem conventuais, é competência do Reitor da Igreja conceder a licença acima citada.

Art. 6. Nas missas celebradas com o povo segundo o Missal do Beato  João XXIII, as leituras podem ser proclamadas também em língua vernácula, utilizando as edições reconhecidas pela Sé Apostólica.

Art. 7. Se um grupo de fiéis leigos, incluídos entre os mencionados no art. 5-§ 1, não vir satisfeitas as suas solicitações por parte do pároco, informe o Bispo diocesano. Pede-se vivamente ao Bispo que satisfaça o desejo deles. Se não puder dar provisão para tal celebração, refira-se o caso à Pontifícia Comissão «Ecclesia Dei».

Como fazer isso? Aqui vão algumas sugestões, mas primeiro tenha em mente estes pontos:

  1. Tire cópia de todas as correspondências.
  2. Seja organizado e, por favor, mantenha-se focado no único objetivo: estabelecer a Missa Tradicional.
  3. Seja polido e educado ao máximo que você puder.
  4. Olhe ao redor, tentando procurar qualquer problema que possa surgir. Sempre que antever algum problema busque logo a solução. Fique sempre um passo a frente do padre responsável, torne o caminho dele fácil.
  5. Não esqueça da importância da oração. Reze para que seu padre conceda seu pedido e as coisas aconteçam sem problema.

Continuar lendo

Parábola do Administrador Infiel (Lc XVI, 1-13)

Trago uma bela meditação, com adaptações, de um dos trechos mais difíceis da Sagrada Escritura: a parábola do administrador infiel (Lc XVI, 1-13), extraída do livro Reflexões Evangélicas, do Pe. Alexandrino Monteiro S.J. Em azul as palavras do Senhor, logo abaixo a sua respectiva meditação.

dishonest-steward

O administrador chamado a contas

Jesus disse ainda a seus discípulos: Um homem rico tinha um administrador e este foi acusado diante dele, por ter dissipado seus bens.

Este administrador, a quem o rico tinha confiado a administração de seus bens, em vez de os fazer render, dissipou-os servindo-se deles para seus próprios interesses. Este procedimento chegou a ser conhecido do senhor, que se encheu de cólera. Não sou eu este administrador infiel? Tudo que tenho, bens do corpo e da alma, da natureza e da graça, do nascimento e da fortuna; vida, saúde, riquezas, talentos . . . tudo recebi de vós, ó meu Deus, tudo vós me destes para vossa glória. Mas o uso que fiz de todos estes bens não estará atraindo sobre mim a vossa cólera?

E mandou chamar o administrador e lhe disse: Que ouço dizer de ti? Não ouço de ti senão queixas e todos reclamam minha justiça contra tua iniquidade.

Confesso, Senhor, que dei assunto a muitas queixas. Em todas as idades, Jogares, empregos, meus superiores iguais e inferiores, todos apelam para vossa justiça, pelo mau uso que fiz dos bens que me destes, pelas palavras, pensamentos e ações com que transgredi vossa lei!

Dá-me conta da tua administração.

Que golpe fulminante para este homem que nada tinha em ordem, que de tudo usa como proprietário para o fim de seus desejos! Agora se lembra que tem um senhor a quem é obrigado a dar conta!

Ó homens, a quem poucos anos restam de vida sobre a terra, esqueceis-vos que tendes um Senhor. a quem sereis obrigados a dar conta minuciosa de toda as vossas ações? Viveis esquecidos desse ultimo instante em que deveis responder por vós ao· Supremo Juiz?

Pois não poderás mais administrar, disse-lhe o Senhor.

Um dia virá também em que nos tirarão toda a administração e nos despojarão de tudo. Já veio para muitos que nós conhecemos: tão depressa virá também para nós! Então cessará para sempre a administração dos bens deste mundo! E como é que vivemos como se nunca o houvéssemos de deixar? Como se não tivéssemos de responder por cada ação? Como si uma eternidade de tormentos não fosse a paga de nossas infidelidades?

A Prudência do Administrador

Então disse ele a si mesmo: Que farei, pois meu amo me tirar a administração de seus bens? Cavar não posso e envergonho-me de mendigar.

O administrador viu-se numa angustiosa situação: urge tomar um partido para assegurar sua subsistência. Oh! Se pensássemos que em breve deixaremos a vida e que uma eternidade nos espera, como trataríamos a sério de nos prevenir para entrar nesse novo mundo, em que só nossas boas obras e virtudes nos prepararão uma vida feliz! – Quid faciam? – que é bem fazer agora, para então?

Já sei, disse, o que hei de fazer, afim de que, quando me tirarem o emprego, tenha gente que me receba em sua casa. Mandando, pois, chamar os que deviam a seu patrão, disse ao primeiro: Quanto deves a meu senhor? Ele respondeu: Cem cados de azeite. O administrador disse-lhe: Toma teu caução, senta-te depressa e escreve cinquenta. Depois disse a outro: E tu, quanto deves? O qual disse: Cem môios de trigo. Disse-lhe: Toma a tua letra e escreve oitenta.

E louvou o senhor o administrador infiel por ter procedido com prudência. O senhor não pôde deixar de louvar a indústria deste homem, que, por uma ação mais prudente que justa, preparou um recurso para quando fosse despedido do seu emprego. – Oh! Se fôssemos tão industriosos no que toca à nossa salvação! Perdoando as faltas do nosso próximo, dispomos a Deus para nos perdoar as nossas. Dando esmolas aos necessitados, granjeamos outros tantos amigos que nos receberão no céu. Nisto somos prudentes, sem sermos injustos.

Porque os filhos deste século são mais prudentes, nos negócios da vida, que os filhos da luz.

Os filhos do século são os que só pensam na vida presente. Os filhos da luz são os que pensam mais na vida futura e trabalham para salvar-se. Nós somos deste número, mas comparemos nossa prudência no negócio da salvação eterna, com a prudência dos mundanos nos negócios temporais, e vejamos como é superior a nossa.

Poder das riquezas

E eu vos digo: Empregai as riquezas iníquas em granjear amigos, afim de que quando falecerdes vos recebam nos eternos tabernáculos.

Jesus chama as riquezas do dinheiro de iniquidade – mamona iniquitatis – quer pelo uso que fazemos delas para o pecado, o luxo, o escândalo; quer pela maneira como as adquirimos: com avareza, crueldade, injustiças; quer pela maneira como as possuímos, pondo nelas o coração e tendo-as como o último fim da nossa vida.

É com elas que devemos granjear amigos no céu. E quais são esses amigos? Os pobres que preservamos do pecado, ajudando-os com esmolas; os servos de Deus, que vivem da caridade dos ricos; as pobres almas do purgatório, que, pelas Missas que por elas mandamos celebrar, sobem ao céu a interceder por nós.

E para que são estes amigos? Para nos receber nas moradas eternas. – Esta expressão é tão forte e enérgica que não a podemos explicar, sob pena de a enfraquecer: parece até exagerada se não fosse dita por Nosso Senhor e Mestre. Ó poder da esmola! Ó poder dos pobres! Ó poder dos Santos!

Prólogo do Evangelho de São João

Título da aula: Prólogo do Evangelho de São João
Exposição: Ivone Fedeli
Bibliografia básica:
  1. BOISMARD, M. E. Le prologue de Saint Jean. Paris: Les éditions du Cerf, 1953
  2. THIEDE, C. P. A testemunha ocular de Jesus. São Paulo: Imago, 1996
  3. TRESMONTANT, C. Gospel of Matthew: Translation & Note. West Chester: Christendon Press, 2004
  4. PRAT, F. Jésus Christ. Paris: Beauchesne, 1953
  5. BENTO XVI. São Jerônimo e a paixão pelas escrituras. Audiência Geral de 14 de novembro de 2007. La Documentation Catolique, no. 2393, 06.01.2008, p. 9
  6. PAGELS, E. The Johannine Gospel in Gnostic Exegesis. Atlanta: Scholars Press, 1989