Categorias
Brasil profundo Eclesiologia Sociedade

Frei Damião em Taperoá (PB)


Frei Damião em 1969 na cidade Taparoá (PB). Esse vídeo é uma verdadeira relíquia!

Categorias
Defesa da vida

O delírio abortista num esquema

tumblr_mqevjkIzw71r62irro1_1280

Categorias
Eclesiologia

Uma comparação

Last-3-popes

Categorias
Brasil profundo

Um sermão de Vieira

Texto do Prof. Ângelo Monteiro publicado no Jornal do Commercio (Recife, 29 de agosto der 2013) que, além da crítica cultural mais ampla, traz à tona um problema real que todo catequista enfrenta no nosso país, a saber, o da falta de consolidação dos princípios doutrinários na mente dos alunos, e que, incrivelmente, o Pe. Antônio Vieira já notava no início de nossa história:

vieiraNão se pode nunca saber, depois de mais de trezentos anos, se o Sermão do Espírito Santo, proferido pelo Padre Antônio Vieira, em São Luís do Maranhão, se resume à constatação de uma época ou vem a ser, muito antes, a confirmação de uma realidade: a de um país condenado, por fatalidade, a repetir o tempo todo a receita do mesmo. Vieira começa pela nomeação de São Tomé, dada a sua proverbial incredulidade, a pregador do Brasil mostrando, curiosamente, que suas pegadas ficaram na memória das pedras e não na dos homens. Eis como se pronuncia, a esse respeito, o genial jesuíta: “Não se podia melhor provar e encarecer a barbárie da gente. Nas pedras acharam-se rastos do Pregador, na gente não se achou memória da pregação; as pedras conservam a memória do Apóstolo, os corações não conservam a memória da doutrina.”

Não se esqueceu, também, de assinalar a facilidade com que os brasileiros, que então não passavam de índios, tornaram-se rapidamente abertos à aceitação da Fé e, em igual disposição, dispostos a esquecê-la: “e não porque os Brasis não creiam, mas porque essa mesma facilidade com que creem, faz com que o seu crer em certo modo seja como não crer. Certos Gentios são incrédulos até crer; os Brasis ainda depois de crer são incrédulos. Em outros Gentios a incredulidade é incredulidade, e a Fé é Fé; nos Brasis a mesma Fé, ou é ou parece incredulidade.” Dessa maneira a disseminação das ideias, sobretudo se novas, acompanha no Brasil a mesma trajetória das profissões de fé: conhece um reinado tão curto no coração dos homens, como dantes conheceu a rápida conversão. As ideias entre nós, assim como os homens que as divulgam, veem chegar em muito pouco tempo o clima próprio dos fins de festa, preparatório dos ostracismo e do esquecimento.

O Padre Vieira não deixa, por isso, de nos chamar a atenção, com suma perspicácia, para uma certa constante da nossa formação histórica, que é a completa indiferença cultural, por meio do seguinte depoimento: “Esta é uma das maiores dificuldades que tem aqui a conversão. Há-se de estar sempre ensinando o que já está aprendido, e há-se de estar sempre plantando o que já está nascido.” Talvez constitua nosso verdadeiro legado negar a mínima confiança, no desprezo pela memória do que fomos e somos, em qualquer forma de presente, e entregar-se, impenitente, às mãos do futuro, esperando que as coisas criem um dia raízes mais firmes e fundas – mas como se fora nas nuvens – nessa terra onde, segundo o testemunho veraz de Pero Vaz de Caminha, em se plantando tudo dá…

Outro dado interessante desse texto é que ele nos mostra também a motivação histórica do que foi percebido por Olavo de Carvalho no seu já clássico Orgulho do Fracasso.

Categorias
Educação Pastoral

6 prescrições para viver bem e ganhar a salvação eterna segundo D. Bosco

D. BoscoNascido em 1815, São João Bosco foi um homem de inteligência extraordinária, charme e força física – dons que ele usou exclusivamente para servir ao próximo num esforço contínuo de ganhar almas para Deus, especialmente a dos meninos. Ele fundou o Oratório de São Francisco de Sales, uma escola e refúgio para as crianças que ajudava, e, 1859, uma congregação dedicada à educação católica.

O estilo de ensino dele era cândido, simples, mas com uma grande visão. Nesse âmbito, vou apresentar aqui o que ele chamada de “medicina para a alma”. A simplicidade e eficácia dessas “prescrições” nos lembra aqueles velhos remédios caseiros feitos pelas nossas mães ou avós. Eles ajudam jovens e velhos indistintamente.

I prescrição: Dê a Deus a maior honra e glória possível com toda a sua alma. Se você tem um pecado na sua consciência, remova-o o mais rápido possível por meio de uma boa confissão.

II prescrição: Nunca ofenda ninguém. Acima de tudo, esteja disposto a servir aos outros. Demande mais de si mesmo que de seu próximo.

III prescrição: Não confie naqueles que não têm fé em Deus e que não obedecem aos seus mandamentos. Aqueles que não têm escrúpulos em ofender a Deus e que não dão a Ele o que deveriam, não terão barreiras para ofender você e trair sua confiança quando for conveniente.

IV prescrição: Se você não quer cair na ruína, nunca deverá gastar mais do que ganha. Tenha sempre isso em mente e examine suas verdadeiras condições com afinco.

V prescrição: Seja humilde. Fale pouco de si e nunca louve a si mesmo diante de ninguém. Aquele que louva a si, mesmo quando tem um mérito verdadeiro, arrisca-se a perder a boa impressão causada aos outros. Aquele que busca apenas glória e honra tem certamente uma cabeça vazia alimentada apenas pelo vento… não terá paz de alma e não será confiável em suas iniciativas.

VI prescrição: Carregue sua cruz nas suas costas e aceite-a da maneira que é, pequena ou grande, venha ela de amigos ou inimigos ou de qualquer outra origem. O mais inteligente e feliz dos homens é aquele que, sabendo que ele está condenado a carregar a cruz ao longo da vida, de bom grado aceita resignadamente o que Deus lhe enviou.

Promessa de felicidade

D. Bosco conclui: “Caro amigo, eu sou um homem que ama a alegria, e que, portanto, deseja vê-lo e a todo mundo feliz. Se você fizer o que eu digo, vai ser alegre e feliz de coração.”

Traduzido e adaptado deste texto.
Categorias
Apologética Crise Eclesiologia

Lá só estudam Wittgenstein

chatDiálogo que ouvi esperando o elevador numa universidade:

Aqui não tem linha de pesquisa na obra de Tomás de Aquino.

Tem não. Infelizmente.

Mas na Católica deve ter.

Tem nada.

Como não? E os padres?

Fui num seminário e eles só estudam Wittgenstein, Hegel…

Por que será mesmo que a doutrina da Igreja se tornou um tesouro fechado até mesmo para o clero?

Categorias
Liturgia

O missal de Paulo VI

Alguns anos atrás, fui testemunha da falta de boa vontade do Pe. Paulo Ricardo com um amigo meu que era aluno dele no seminário de Cuiabá apenas pelo fato do rapaz ser tomista e defender a Missa no rito gregoriano como algo superior ao que resultou da reforma paulina. Felizmente esse quadro se transformou; Deus encontrou um caminho (a postura do Papa anterior) para mudar o coração e a inteligência desse grande comunicador católico. Este vídeo é o resultado da ação do Espírito Santo:

Quem quiser pode acompanhar um debate sobre a aula acima neste tópico da comunidade Apologética Católica.

Categorias
Contrarrevolução

Lobão e Olavão

Um bate-papo imperdível entre Lobão e Olavo de Carvalho sobre a atual situação cultural do país: